Internacional Epstein fez testamento dois dias antes de suicídio, diz jornal

Epstein fez testamento dois dias antes de suicídio, diz jornal

Segundo reportagem do New York Times, milionário deixou meio bilhão de dólares para um fundo nas Ilhas Virgens na última segunda-feira (12)

  • Internacional | Fábio Fleury, do R7, com agências internacionais

Jeffrey Epstein assinou seu testamento dois dias antes de se matar na prisão

Jeffrey Epstein assinou seu testamento dois dias antes de se matar na prisão

Montagem R7 / Fotos: EFE

Dois dias antes de se suicidar por enforcamento dentro de sua cela em uma prisão federal em Nova York (EUA), no último dia 10, o milionário norte-americano Jeffrey Epstein assinou seu testamento. O documento foi revelado nesta segunda-feira (19) por uma reportagem do New York Times.

Segundo a publicação, a assinatura do documento aconteceu na quinta-feira, dia 8, menos de 48 horas antes da morte de Epstein. A maior parte da fortuna dele, avaliada em Us$ 500 milhões (cerca de R$ 2 bilhões), será destinada a um fundo de investimentos com sede nas Ilhas Virgens.

Leia também: Laudo conclui que morte de Jeffrey Epstein na prisão foi suicídio

O fundo, chamado de "1953", provavelmente em homenagem ao ano de nascimento do norte-americano, foi estabelecido às pressas naquele dia, por seus advogados, Ele será administrado por dois sócios de Epstein, Darren Indyke e Richard Kahn.

Recursos milionários

Entre os recursos estão diversas companhias que são proprietárias legais dos diversos imóveis que o milionário tinha no Novo México, em Paris, em Nova York e a pequena ilha do qual ele era dono nas Ilhas Virgens. As ações e fundos aplicados descritos no documento chegam a US$ 194 milhões (cerca de R$ 785 milhões).

A transferência da fortuna pode ter sido feita para evitar que ela seja dividida pelas diversas ações que corriam contra Epstein na Justiça norte-americana. Segundo o Departamento de Justiça, no entanto, o testamento só poderá ser executado depois que esses processos sejam decididos.

A coleção de arte de Jeffrey Epstein, que continha diversas obras de conteúdo erótico, não foi incluída no testamento.

Últimas