Internacional Esquerda e mídia apoiam a "narrativa" trágica que ignora o apoio ao extremismo talibã

Esquerda e mídia apoiam a "narrativa" trágica que ignora o apoio ao extremismo talibã

Antes de projetar crenças pessoais, temos que refletir sobre a realidade e olhar para o Afeganistão sem paixões ideológicas

  • Internacional | Marco Antonio Araujo, do R7

Centenas de afegãos fogem do governo do Talibã em cargueiros da CIA

Centenas de afegãos fogem do governo do Talibã em cargueiros da CIA

Capt. Chris Herbert / US Airforce / AFP

A “narrativa” da mídia ocidental, segundo a esquerda, é única: os afegãos estão numa fuga em massa para escapar do terrível regime talibã; uma tragédia que o mundo acompanha, estarrecido. Não é bem assim.

Quem está fugindo aos borbotões são os diplomatas, militares e civis (das minoritárias classes média e alta) que apoiaram, nos últimos vinte anos, a intervenção americana - aquela que entregou o país a uma elite corrupta e que nada fez pelo povo miserável e analfabeto do Afeganistão.

Os afegãos comuns que tiverem de fugir por medo da barbárie do fundamentalismo islâmico vão ter de cruzar fronteiras a pé, como refugiados. Ainda não sabemos quantos são. Talvez levem tiros pela costas, em vez de caírem de um avião cargueiro enviado pela CIA.

Depois a esquerda namastê reclama de fake news sobre direitos humanos com aquele ar de superioridade intelectual. Francamente. E a soberania dos povos? O que faremos se os sobreviventes do abandono promovido pelo governo Biden decidirem apoiar o Emirado Islâmico do Afeganistão? Seja por questão de fé ou desejo de uma sobrevivência pacífica. O que faremos?

Antes de projetar valores pessoais nos outros, temos que refletir sobre a realidade dos fatos. Crenças – ainda mais no caso de extremistas religiosos – requerem muito mais a atenção de todos nós. O que lá acontece é muito grave e importante. Diz respeito aos que acreditam, pensam, lutam e oram. 

Temos de olhar para o Afeganistão sem paixões ideológicas. E com muita atenção.

Últimas