Internacional EUA oferecem US$ 15 milhões para encontrar líder do cartel de Sinaloa

EUA oferecem US$ 15 milhões para encontrar líder do cartel de Sinaloa

Valor foi triplicado e é a 2ª maior recompensa oferecida pelo país para encontrar um traficante de drogas mexicano

Agência EFE
Ismael 'El Mayo' Zambada, líder do cartel de Sinaloa, no México

Ismael 'El Mayo' Zambada, líder do cartel de Sinaloa, no México

Wikipedia

O governo dos Estados Unidos anunciou na quarta-feira (22) que está triplicando a recompensa oferecida para localizar Ismael 'El Mayo' Zambada, atual líder do cartel de Sinaloa, para US$ 15 milhões, de acordo com informações divulgadas pelo Departamento de Estado em comunicado.

É a segunda maior recompensa oferecida até agora pelo governo americano para encontrar um traficante de drogas mexicano, depois dos US$ 20 milhões que serão distribuídos se Rafael Caro Quintero, o mais procurado pelo sistema de justiça dos EUA, seja capturado.

A recompensa pela captura de 'El Mayo' é também a mesma quantia oferecida pelos EUA pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O Cartel de Sinaloa foi fundado em 1988 por Joaquín 'El Chapo' Guzmán, atualmente preso nos Estados Unidos, Héctor 'El Guero' Palma, também detido, e 'El Mayo' Zambada, que comanda a organização atualmente.

O Departamento de Estado, através de seu programa de recompensas antinarcóticos, está oferecendo a quantia em troca de informações que levem à prisão do traficante. No comunicado, o organismo lembra que 'El Mayo' é um parceiro de longa data de 'El Chapo' e, como seu predecessor, foi acusado de inúmeros crimes. O aumento na recompensa, de acordo com a nota, se deve ao novo status de liderança na organização que o procurado adquiriu.

A recompensa complementa as medidas anunciadas pelo Departamento do Tesouro, que aprovou sanções para outro membro do cartel, Sergio Valenzuela, acusado de prestar assistência financeira e tecnológica ao cartel e ao Zambada.

Mais de 75 criminosos e traficantes de drogas de outros países foram levados à justiça nos EUA sob o sistema de recompensa, que já pagou US$ 135 milhões desde o seu lançamento, em 1986.

Últimas