China

Internacional EUA pedem que China não fique do 'lado errado' no conflito da Ucrânia

EUA pedem que China não fique do 'lado errado' no conflito da Ucrânia

Comentários americanos foram feitos após conversa telefônica entre Xi Jinping e Vladimir Putin ser divulgada na imprensa

AFP
Resumindo a Notícia
  • Porta-voz dos EUA afirmou que posição chinesa em relação à guerra é preocupante

  • Xi Jinping e Vladimir Putin teriam conversado por telefone, segundo a imprensa internacional

  • Para os EUA, a China não tem se posicionado de maneira adequada desde o início da guerra

  • Norte-americanos alertaram chineses para não ajudarem russos a enfrentarem sanções

Presidentes da China e Rússia estreitam cada vez mais os laços entre os dois países

Presidentes da China e Rússia estreitam cada vez mais os laços entre os dois países

Evgenia Novozhenina/Reuters - 5.6.2019

Os Estados Unidos pediram nesta quarta-feira (15) que a China deixe de apoiar a invasão russa da Ucrânia e evite se colocar "do lado errado da história", após notícias de que Xi Jinping e Vladimir Putin conversaram por telefone.

"O alinhamento da China com a Rússia nos preocupa", disse um porta-voz da diplomacia americana após a conversa entre os presidentes, na qual Pequim garantiu a Moscou seu apoio em termos de "soberania" e "segurança".

"A China afirma ser neutra, mas seu comportamento deixa claro que ainda está investindo em laços estreitos com a Rússia", declarou a fonte sob condição de anonimato.

"Mais de três meses após a brutal invasão da Rússia (à Ucrânia em 24 de fevereiro), a China ainda está do lado da Rússia", disse.

"Continua difundindo propaganda russa pelo mundo. Continua protegendo a Rússia nas organizações internacionais, fugindo das suas responsabilidades como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, e ainda nega a existência das atrocidades perpetradas pela Rússia na Ucrânia, sugerindo, em vez disso, que foram um cenário montado", acrescentou.

Segundo a fonte, "os países que escolherem o lado de Vladimir Putin inevitavelmente ficarão do lado errado da história. Agora é a hora de os líderes mundiais se manifestarem contra a flagrante agressão do presidente Putin e apoiarem o povo ucraniano".

O diplomata alertou que a China se abstenha de fornecer qualquer “ajuda militar” à Rússia ou qualquer “apoio sistemático para evitar sanções” severas do Ocidente.

Últimas