Internacional Europa sufoca com altas temperaturas e grandes incêndios

Europa sufoca com altas temperaturas e grandes incêndios

Altas temperaturas são registradas na Espanha, Portugal, Grécia, França e Reino Unido; incêndios deixaram pelo menos dois mortos

  • Internacional | Da AFP

Mais de 3.000 hectares foram afetados em 14 incêndios florestais registrados na Galícia

Mais de 3.000 hectares foram afetados em 14 incêndios florestais registrados na Galícia

EFE/Brais Lorenzo - 16/07/2022

Uma parte da Europa Ocidental foi sufocada neste sábado (16)  por uma onda de calor que causou incêndios devastadores e ameaça causar temperaturas recordes neste fim de semana e no início do próximo.

Os incêndios foram especialmente preocupantes em Espanha, onde uma importante autoestrada que liga Madrid à fronteira portuguesa foi cortada desde o início da manhã por um incêndio na Extremadura (sudoeste).

"Vamos prosseguir com a abertura de uma via" nos 20 km que continuam encerrados da autoestrada A5 "para facilitar a transferência de pessoas que estão retidas há muito tempo", anunciou Nieves Villar, diretor-geral da Proteção. aos jornalistas ao meio-dia de sábado Civil da Extremadura.

Depois de uma noite complicada, centenas de bombeiros e meios terrestres e aéreos conseguiram "estabilizar" o incêndio na Extremadura, que ameaçava o Parque Nacional de Monfragüe, uma área natural protegida pela sua biodiversidade, disse Villar.

Dezenas de incêndios continuaram a arder este sábado em Espanha, sob uma onda de calor com temperaturas extremas durante quase uma semana, uma das mais preocupantes na Serra de Mijas (Andaluzia, sul), que obrigou à expulsão preventiva de mais de 3.000 pessoas, segundo as autoridades locais.

Incêndios em Portugal, França, Grécia

Após dias difíceis, a situação em Portugal melhorou ligeiramente este sábado, com apenas um grande incêndio ativo no norte do país, entre os distritos de Baião e Amarante.

Ao meio-dia, o fogo avançava em pelo menos uma frente, na encosta de uma colina arborizada nesta região montanhosa localizada perto do rio Douro, confirmaram os jornalistas da AFP.
Na véspera, morreu um piloto de um avião de combate a incêndios que caiu na região da Guarda (norte).

Segundo a Proteção Civil, os incêndios deixaram pelo menos dois mortos e sessenta feridos nas últimas semanas e as chamas queimaram entre 12.000 e 15.000 hectares.

No sul da França, os bombeiros continuaram a combater vários incêndios, principalmente no departamento de Gironde, onde quase 9.000 hectares de floresta estão em chamas desde terça-feira, sob uma onda de calor que pode elevar as temperaturas a 40°C. segundo a agência Météo-France.

Os esforços valeram a pena em Teste-de-Buch, onde o fogo foi contido, mas "não está sob controle", disse o subprefeito de Arcachon, Ronan Léaustic, a repórteres.

Os incêndios nesta zona de França, que mobilizaram mais de mil bombeiros, mantiveram preventivamente 10 mil pessoas fora das suas casas desde terça-feira.

Na Grécia, bombeiros combatem um incêndio que começou na sexta-feira na ilha de Creta, onde sete cidades rurais foram evacuadas.

Reino Unido se prepara para o pior

Embora o pico da onda de calor pareça ter passado na Espanha, a Agência Meteorológica do Estado (Aemet) alertou que só será segunda-feira quando as temperaturas cairem um pouco, que neste sábado continuarão acima de 40 ºC em muitas regiões e até 44 °C em áreas específicas.

Em Portugal, apenas a região sul do Algarve foi salva de estar sob alerta de calor. Em outras partes do país eram esperados 42 ºC.

Mais ao norte da Europa, no Reino Unido, um comitê de crise formado por ministros do governo deve se reunir neste sábado depois que a agência meteorológica nacional emitiu o primeiro "alerta vermelho" para calor extremo, alertando para um "risco de vida".

O Met Office prevê que no sul da Inglaterra as temperaturas podem chegar a 40°C pela primeira vez entre segunda e terça-feira, batendo o recorde do país de 38,7°C datado de 2019.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, aconselhou os londrinos a não usar o transporte público, exceto em casos de absoluta necessidade, e algumas escolas anunciaram que permanecerão fechadas no sul da Inglaterra enquanto as temperaturas permanecerem tão altas.

Esta é a segunda onda de calor a atingir a Europa em menos de um mês, fenômenos que estão se tornando mais frequentes e intensos alimentados pelas mudanças climáticas, segundo cientistas.

Imagens assustadoras: calor extremo causa incêndio em linha de trem

Últimas