Internacional Ex-presidente da Coreia do Sul Roh Tae-woo morre aos 88 anos

Ex-presidente da Coreia do Sul Roh Tae-woo morre aos 88 anos

Político estava internado no Hospital da Universidade Nacional de Seul e morreu de causas naturais

AFP
O general Roh Tae-woo, ex-presidente da Coreia do Sul, morreu aos 88 anos

O general Roh Tae-woo, ex-presidente da Coreia do Sul, morreu aos 88 anos

Reuters - 22.12.2021

O general Roh Tae-woo, ex-presidente da Coreia do Sul que desempenhou um papel decisivo na sangrenta repressão do levante popular em Gwangju, faleceu aos 88 anos, nesta terça-feira (26), de causas naturais. O levante terminou na morte de centenas de vidas.

Leia também: Coreia do Norte atende chamada do Sul e reativa linha direta

Afastado da vida pública há cerca de 20 anos após ser diagnosticado com câncer de próstata, Roh Tae-Woo estava internado no Hospital da Universidade Nacional de Seul, informou a agência de notícias Yonhap. 

Roh Tae-woo foi eleito presidente de 1988 a 1993, sucedendo a seu velho amigo e ditador Chun Doo-hwan, que tomou o poder em um golpe militar com Roh em 1979. 

A vitória de Roh nas eleições de 1987, devido a uma oposição dividida, esmagou as esperanças de muitos ativistas liberais e pela democracia, que viram sua posse como pouco mais do que uma extensão do regime existente. 

Durante seu mandato, Roh presidiu os Jogos Olímpicos de Verão de Seul em 1988 e estabeleceu laços diplomáticos com o bloco comunista, durante muito tempo alinhado com Pyongyang. 

Foi substituído pelo ex-ativista democrata Kim Young-sam, que estava determinado a levar ele e Chun à Justiça. 

Em 18 de maio de 1980, manifestantes pró-democracia tomaram as ruas de Gwangju, para protestar contra a lei marcial proclamada pelo ditador Chun Doo-Hwan. 

Centenas de pessoas morreram na violenta repressão do Exército, um evento que ficou conhecido como o massacre de Gwangjiu. No final, os dois ex-presidentes foram condenados por traição, em 1996. 

No início, Roh foi condenado a 22,5 anos de prisão, enquanto Chun foi condenado à morte. Ambos receberam perdões presidenciais, porém, e foram postos em liberdade no ano seguinte.

Últimas