Internacional Ex-tesoureiro do Vaticano é preso e aguarda sentença por pedofilia

Ex-tesoureiro do Vaticano é preso e aguarda sentença por pedofilia

George Pell foi considerado culpado por abusos sexuais de menores cometidos há duas décadas. Pena será anunciada em 13 de março

Pedofilia no Vaticano

George Pell foi preso por abusos sexuais

George Pell foi preso por abusos sexuais

AAP Image/David Crosling/via REUTERS /27.02.2019

O cardeal George Pell, ex-chefe das Finanças do Vaticano, foi preso nesta quarta-feira (27) na Austrália por abusos sexuais de menores cometidos há duas décadas e agora aguarda para tomar conhecimento da sua sentença.

O tribunal de Melbourne anunciará no próximo dia 13 de março a condenação imposta ao religioso, que pode pegar até dez anos por conta das cinco acusações pelas quais foi declarado culpado.

A defesa apresentou uma apelação em outro tribunal para estender sua liberdade mediante ao pagamento de fiança, mas o cardeal de 77 anos retirou o recurso durante o dia, segundo confirmaram à Agência Efe fontes judiciais.

Pell, o religioso de mais alta categoria da Igreja Católica a ser considerado culpado por pedofilia, saiu da sala em silêncio resguardado pelos guardas de segurança após ouvir do juiz Peter Kidd que sua atitude foi "insensível e de uma descarada ofensa".

O magistrado retirou a liberação condicional ao cardeal, que foi considerado culpado por um júri do tribunal estadual de Victoria, no dia 11 de dezembro do ano passado, embora a decisão não tenha sido divulgada até ontem por ordem judicial.

Durante a audiência, o advogado do cardeal, Robert Richter, apresentou dez referências de "caráter" de personalidades australianas que falam a favor de Pell, incluindo a do ex-primeiro-ministro conservador John Howard.

Também foram apresentadas duas declarações escritas sobre o impacto que os abusos causaram nas duas vítimas de Pell, a que a imprensa solicitou acesso, o que foi negado pelo juiz.

Uma delas foi apresentada pelo único sobrevivente dos abusos, enquanto a outra foi feita pelo pai da segunda vítima, que morreu de uma overdose de heroína em 2014, e que planeja processar Pell pelos danos causados ao seu filho.