Rússia x Ucrânia

Internacional Exigências sobre a Ucrânia não são negociáveis, diz Putin

Exigências sobre a Ucrânia não são negociáveis, diz Putin

Presidente russo continuará exigindo que o país nunca seja admitido como Estado-membro da Otan

AFP
O presidente russo Vladimir Putin, durante seu discurso à nação, no Kremlin, em Moscou

O presidente russo Vladimir Putin, durante seu discurso à nação, no Kremlin, em Moscou

Alexey Nikolsky/AFP - 21.02.2022

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, prometeu que não cederá em suas exigências sobre a Ucrânia, apesar da série de sanções anunciadas por países ocidentais após reconhecer regiões separatistas no leste ucraniano

"Os interesses e a segurança de nossos cidadãos não são negociáveis para nós", declarou o líder russo.

O presidente fez um breve discurso exibido na televisão por ocasião do Dia do Defensor da Pátria, nesta quarta-feira (23), no qual afirmou que está "aberto a um diálogo direto" com os países ocidentais, mas sempre exigindo que a Ucrânia nunca seja admitida como Estado-membro da Otan.

O medo de uma escalada militar às portas da União Europeia (UE) é cada vez maior desde que Putin reconheceu, na segunda-feira (21), a independência de dois territórios separatistas na Ucrânia e o Parlamento russo aprovou em seguida os acordos sobre a declaração, que incluem diversos compromissos com os rebeldes ucranianos pró-Rússia.

O texto prevê o envio de uma força de "manutenção da paz" aos territórios que integram a Ucrânia, o que autoriza uma possível operação militar.

Embora Putin não tenha revelado detalhes sobre seus planos, nem uma data sobre o possível envio de tropas, uma intervenção russa já tem o caminho legal preparado.

Sanções


Para o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, as últimas decisões de Putin significam "o início de uma invasão", mas ele afirmou que ainda "é possível evitar o pior".

Nesta terça-feira (22), países ocidentais aprovaram as primeiras sanções após o reconhecimento da independência dos separatistas. O conflito entre os insurgentes e as autoridades ucranianas já dura oito anos e provocou mais de 14 mil mortes.

A medida mais contundente foi a decisão da Alemanha de suspender a autorização do gigantesco gasoduto Nord Stream II, que transportará gás russo ao país europeu.

O governo dos Estados Unidos reagiu com uma "primeira série" de sanções que pretendem impedir que Moscou obtenha fundos ocidentais para pagar sua dívida.

União Europeia, Japão, Austrália, Canadá e Reino Unido também divulgaram sanções. As medidas punitivas são direcionadas principalmente contra bancos russos e alguns deputados. No momento, as sanções são cautelosas e menores que as anunciadas em caso de invasão.

A ministra britânica das Relações Exteriores, Liz Truss, declarou que considera "muito provável" que Putin decida invadir a Ucrânia.

Mas o calendário parece ser estabelecido por Putin, que mantém a comunidade internacional em suspense ao cercar de mistério suas intenções: invadir a Ucrânia, ampliar a área sob o controle dos separatistas ou negociar um novo status quo na região.

Nesta terça-feira, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, criticou a Rússia e afirmou que os princípios da "Carta das Nações Unidas não são um menu à la carte" e que o país deve "aplicar todos", em referência à crise na Ucrânia.

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, respondeu que Guterres estava cedendo à "pressão dos ocidentais".

"Medo"

Na linha de frente, os combates continuam entre o Exército da Ucrânia e os separatistas. "Começaram a atirar com mais força", declarou à AFP Dmitri Maksimenko, que trabalha no setor de mineração na pequena cidade de Krasnogórivka, perto da frente de batalha.

Ele disse que ficou "chocado" com a notícia de que a Rússia reconheceu a independência dos separatistas. "Não sei o que vai acontecer, mas honestamente tenho um pouco de medo", admitiu.

Os separatistas de Lugansk anunciaram nesta quarta-feira a morte de um combatente, atingido pelo tiro de um franco-atirador ucraniano, segundo os insurgentes. Os rebeldes anunciaram também a morte de um civil em um bombardeio.

Últimas