Internacional G7 está pronto para adotar 'sanções adicionais' contra Rússia

G7 está pronto para adotar 'sanções adicionais' contra Rússia

Grupo das sete economias mais avançadas do mundo disse que busca apoio de governos para o estrangulamento financeiro russo

AFP
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, luta para minimizar impacto de sanções pelo mundo

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, luta para minimizar impacto de sanções pelo mundo

Thibault Camus/POOL/AFP

O G7 — grupo das sete economias mais avançadas do mundo — declarou, nesta quinta-feira (24), que está pronto para adotar "sanções adicionais" contra a Rússia pela invasão da Ucrânia.

Em uma declaração adotada após uma breve cúpula em Bruxelas, o G7 acrescentou que "não poupará esforços" para que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, assim como os "arquitetos e pessoas que o apoiam nesta agressão", sejam responsabilizados.

O G7 ressaltou a "determinação de impor severas consequências à Rússia, inclusive por meio da implementação total das medidas econômicas e financeiras que já impusemos".

Os sete países vão buscar garantir que "outros governos adotem medidas restritivas semelhantes" às impostas pelo grupo.

O G7 também alertou contra "qualquer ameaça de uso de armas químicas, biológicas e nucleares" e lembrou à Rússia "suas obrigações para com os tratados internacionais dos quais é signatária".

Segundo o grupo, o povo russo deve "saber que não temos nada" contra ele. É o presidente Putin, seu governo e seus partidários [...] que impõem esta guerra e suas consequências aos russos".

O G7 é formado pelos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha, França, Itália e Japão.

Últimas