Internacional G7 pede a países produtores de petróleo que 'aumentem suas entregas'

G7 pede a países produtores de petróleo que 'aumentem suas entregas'

Membros do grupo dos sete países mais industrializados temem que sanções à Rússia resultem em uma alta dos combustíveis

AFP
Navio-tanque atracado em porto da França

Navio-tanque atracado em porto da França

Loic Venance/AFP - 10.3.2022

Os membros do G7 pediram nesta quinta-feira (10) aos países produtores de petróleo e gás que "aumentem suas entregas" para lidar com o aumento dos preços da energia e os riscos de escassez decorrentes da invasão da Ucrânia.

A invasão russa da Ucrânia causa "fortes repercussões nos mercados internacionais de energia", especialmente um "aumento significativo" no preço do petróleo, gás e carvão, afirmaram em um comunicado conjunto os ministros da Energia dos países do G7 (Estados Unidos, Canadá, França, Reino Unido, Alemanha, Itália e Japão) após uma reunião por videoconferência dedicada à Ucrânia.

“Pedimos aos países produtores de petróleo e gás que ajam com responsabilidade e estudem sua capacidade para aumentar suas entregas internacionais, pois, acima de tudo, a produção não está em plena capacidade”, afirmaram.

Mesmo assim, um dos membros do G7, o Reino Unido, pediu na terça-feira (8) aos demais integrantes que “acabassem com o uso de petróleo e gás russo”, em resposta à ofensiva russa na Ucrânia.

Países da União Europeia altamente dependentes da energia russa não querem proibir sua importação por enquanto.

Na quinta-feira, os Emirados Árabes Unidos esfriaram as expectativas de aumento da produção por parte da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e declararam que o grupo vai manter seus compromissos com a aliança Opep+ (que reúne os 13 membros da Opep e outros dez países, liderados pela Rússia).

Os membros da Opep se recusaram a acelerar a produção e continuam comprometidos com um aumento gradual de 400 mil barris diários por mês. A Rússia é o segundo maior exportador mundial, atrás apenas da Arábia Saudita.

Em reação às declarações dos Emirados Árabes Unidos, o preço do barril de petróleo Brent subiu 4% na manhã desta quinta-feira na Europa, atingindo 115,38 dólares às 8h55 GMT (5h55 em Brasília).

Por sua vez, o WTI, cotado em Nova York, operava em alta de 3,47%, sendo vendido a 112,58 dólares o barril.

Últimas