Internacional Haiti registra mais de 2 mil mortos após o terremoto

Haiti registra mais de 2 mil mortos após o terremoto

Equipes trabalham para localizar 332 pessoas que ainda estão desaparecidas; o número de feridos passa de 12 mil

AFP
Equipes de resgate continuam trabalhando na busca pelos desaparecidos

Equipes de resgate continuam trabalhando na busca pelos desaparecidos

Reginald LOUISSAINT JR / AFP

Cinco dias depois do terremoto que abalou o sudoeste do Haiti e deixou mais de 2 mil mortos, as autoridades enfrentam o desafio de entregar ajuda humanitária de maneira segura a centenas de milhares de desabrigados, incluindo muitos que vivem em áreas isoladas. 

O serviço de Proteção Civil do Haiti atualizou o balanço do terremoto na quarta-feira à noite: 2.189 mortos, 332 desaparecidos e mais de 12 mil feridos.

"As operações de resgate continuam", afirmou o organismo no Twitter.

O caos impera na região sudoeste do país e os desabrigados também precisam enfrentar as chuvas provocadas pela passagem do furacão Grace.

O governo dos Estados Unidos fretou oito helicópteros do exército a partir de Honduras para ajudar nas evacuações por razões médicas. Além disso, o "USS Arlington" deve chegar nas próximas horas ao Haiti com uma equipe médica.

"Temos ao redor de 600 mil pessoas diretamente afetadas e que precisam de ajuda humanitária imediata", disse Jerry Chandler, diretor de proteção civil do Haiti, no Centro de Operações de Emergência Nacional em Porto Príncipe.

"Tivemos que encontrar meios para garantir a segurança, o que continua sendo um grande desafio. Sabemos que havia um problema no nível da saída sul de Porto Príncipe, em Martissant, mas este problema aparentemente está resolvido, já que temos conseguido passar nos dois últimos dias", explicou. 

Desde o começo de junho, o trânsito seguro era impossível em dois quilômetros da estrada que atravessa Martissant, bairro pobre da capital haitiana, assolado por confronto entre quadrilhas.

Após o terremoto cessaram os disparos esporádicos e os ataques aleatórios contra veículos, sem que tenha sido realizada nenhuma operação policial para recuperar o controle do bairro, segundo as autoridades.

Embora esta trégua informal imposta pelos grupos armados seja um alívio para os serviços humanitários, a distribuição de ajuda aos desabrigados não deixa de ser complicada.

"Ocorre que enfrentamos populações um pouco frustradas e impacientes, que causam problemas e precisamente bloqueiam os comboios", disse Jerry Chandler.  

"A ideia é poder chegar o mais rapidamente possível e atender a maior quantidade de pessoas", acrescentou.

A mais de 200 km dali, na pequena localidade de Maniche, os moradores esperam o apoio de que tanto precisam após o terremoto de magnitude 7,2.

"Todas as instituições que haviam estão em ruínas. Não temos igrejas, o salão paroquial, o dispensário desabaram totalmente...", enumera, desolada, Rose Hurguelle Point du Jour.

Geordany Bellevue compartilha desta angústia e está especialmente preocupado com as áreas isoladas de sua comuna.

"Nas montanhas houve muitos deslizamentos de terra, que mataram e feriram muita gente. Alguns estão desaparecidos. Não temos capacidade de ir buscá-los nos cumes", diz.

"Já é complicado receber ajuda aqui no centro de Maniche e quando isto acontece, nunca chega às vítimas de áreas isoladas", lamenta, lembrando a gestão da ajuda humanitária após a passagem devastadora do furacão Matthew em 2016.

Últimas