Hong Kong aprova polêmica 'lei do hino nacional' chinês

Medida penalizará com até três anos de prisão quem desrespeitar a Marcha dos Voluntários, o hino nacional da China

Hong Kong aprova lei que penalizará quem desrespeitar o hino nacional da China

Hong Kong aprova lei que penalizará quem desrespeitar o hino nacional da China

Vasily Fedosenko / Reuters - 5.2.2020

O Conselho Legislativo de Hong Kong aprovou nesta quinta-feira (4) uma polêmica lei que penalizará com até três anos de prisão quem desrespeitar a Marcha dos Voluntários, o hino nacional da China.

Além das penas de prisão, a recém-aprovada lei estipula multas de até 50 mil dólares de Hong Kong (cerca de R$ 32 mil) para quem não respeitar o hino. O texto foi aprovado com 41 votos a favor e apenas um contra.

A aprovação foi concluída após uma interrupção de várias horas, pois um deputado da oposição lançou um líquido fétido na câmara. A polícia e os bombeiros foram acionados para controlar a situação.

O debate da nova lei, popularmente conhecida como "lei do hino nacional", foi cercado de críticas do movimento pró-democrático da região. O grupo protestou no dia 27 de maio para tentar impedir o debate, e a manifestação terminou com novos episódios de violência e mais de 300 detidos.

Esta quinta-feira (4), marca o 31º aniversário do Massacre da Praça da Paz Celestial, no qual o Exército chinês matou diversos manifestantes que pediam uma reforma política, democracia e o fim da corrupção na famosa praça em Pequim e em outros lugares de todo o país.

Desde 1990, Hong Kong relembra o massacre com uma vigília em massa, mas neste ano a polícia não autorizou a realização do ato por motivos de saúde pública, devido à pandemia de covid-19. Mesmo assim, milhares de pessoas se reuniram em Hong Kong em memória às vítimas.

Covid: retorno gradual às atividades gera fotos inusitadas pelo mundo