Internacional Incêndios florestais no norte da Argélia deixam ao menos 38 mortos

Incêndios florestais no norte da Argélia deixam ao menos 38 mortos

Os focos de fogo são alimentados por uma forte onda de calor e também têm origem criminosa, afirmam autoridades

AFP
Incêndios também têm origem criminosa, afirma autoridades argelinas

Incêndios também têm origem criminosa, afirma autoridades argelinas

Ryad KRAMDI / AFP

Ao menos 38 pessoas, entre elas 13 civis e 25 militares, morreram nos incêndios que devastam o norte da Argélia, principalmente em Cabília, informaram as autoridades nesta terça-feira (10), mencionando incêndios "de origem criminosa" alimentados por um episódio de onda de calor.

Os incêndios, que começaram na segunda-feira à noite, mataram 13 civis, 12 deles em Tizi Ouzou, segundo um novo balanço fornecido pela agência oficial APS à tarde.

O presidente Abdelmadjid lamentou no Twitter a morte de 25 militares que tentavam apagar o fogo e apresentou suas condolências às famílias das vítimas.

"Com grande tristeza recebi a notícia da morte como mártires de 25 militares, depois de terem conseguido resgatar mais de 100 cidadãos das chamas, nas montanhas de Bejaia e Tizi Ouzou", afirmou o presidente. A televisão pública apresentou um saldo semelhante.

Os incêndios declarados na região de Cabília, uma área arborizada e montanhosa densamente povoada, são agravados pela onda de calor na região, com temperaturas de até 46 ºC.

O vento, junto à seca que afeta a região, dificulta as operações de extinção, afirmou Youcef Ould Mohamed, guarda florestal local, citado pela APS. "Cinquenta incêndios ao mesmo tempo, é impossível. Esses incêndios são de origem criminosa", afirmou o ministro do Interior, Kamel Beldjoud.

A rádio pública argelina anunciou nesta terça-feira a prisão de três "incendiários" em Médéa (norte), onde também eclodiu um incêndio.

Leia mais: Incêndios castigam a Turquia e outros países mediterrâneos

Esses incêndios ocorrem enquanto a Argélia vive um verão escaldante marcado por uma escassez de água. Imagens impressionantes dos incêndios estão circulando nas redes sociais.

Durante um conselho de ministros realizado em 25 de julho, o presidente Abdelamdjid Tebboune ordenou a elaboração de um projeto de lei para punir severamente os responsáveis por incêndios criminosos em florestas, com penas de até 30 anos de prisão ou até prisão perpétua se o incêndio causar a morte de indivíduos.

No início de julho, três pessoas suspeitas de envolvimento em incêndios que devastaram 1.500 hectares de florestas no maciço de Aurès (nordeste da Argélia) foram presas.

Maior país da África, a Argélia tem apenas 4,1 milhões de hectares de florestas, com um índice de reflorestamento de 1,76%. Todos os anos, o país é afetado por incêndios florestais. Em 2020, quase 44.000 hectares de talhadia viraram fumaça.

As autoridades anunciaram que prenderam vários autores de incêndios criminosos.

Os incêndios que estão aumentando em todo o globo estão associados a vários fenômenos previstos pelos cientistas devido ao aquecimento global.

O aumento da temperatura global, o aumento das ondas de calor e a queda da precipitação em alguns lugares é uma combinação ideal para o desenvolvimento de incêndios.

Últimas