Irã confirma a prisão de três australianos, um por espionagem

Porta-voz do Poder Judiciário informou que dois foram presos por tirar fotos de áreas militares e outro por fornecer informações à outro país

Irã prendeu dezenas de estrangeiros nos últimos anos

Irã prendeu dezenas de estrangeiros nos últimos anos

Lisi Niesner / Reuters - 10.9.2018

A Justiça do Irã confirmou nesta terça-feira (17) que três australianos estão detidos no país acusados de espionagem e tirar fotos de áreas militares.

O porta-voz do Poder Judiciário, Gholamhossein Esmaili, explicou que dois dos detidos "tiraram fotos de áreas militares e proibidas e que essas imagens foram descobertas na memória da câmera".

A terceira pessoa presa é acusada de "uma questão de espionagem para outro país" e sua culpa ou inocência será determinada por um tribunal, segundo Esmaili, citado pela agência de notícias semioficial Fars.

O governo australiano já informou, no último dia 11, a detenção no Irã, em incidentes separados, de três australianos, entre eles duas mulheres que também possuem a cidadania britânica.

Dois deles foram identificados como a blogueira Jolie King e seu namorado Mark Firkin, que viajam pelo mundo desde 2017.

O casal publicava imagens e relatava suas aventuras de viagem na Internet antes de serem capturados pelas autoridades iranianas.

A terceira mulher detida é a professora da Universidade de Melbourne, Kylie Moore-Gilbert.

Os três australianos estariam na prisão de Evin, em Teerã, onde também está detida desde 2016 a cidadã britânica-iraniana Nazanin Zaghari-Ratcliffe, acusada de espionagem, de acordo com o jornal britânico The Times.

Estrangeiros presos no Irã

As autoridades iranianas prenderam dezenas de estrangeiros nos últimos anos, na sua maioria cidadãos de dupla nacionalidade, principalmente britânicos e americanos, acusados de espionagem.

Após tomar conhecimento das detenções, o Ministério das Relações Exteriores da Austrália pediu aos seus cidadãos que "reconsiderarem a necessidade de viajar (para o Irã) devido aos riscos de estrangeiros serem detidos ou presos arbitrariamente".

As prisões foram conhecidas no final de agosto, assim que a Austrália anunciasse que se juntará à coalizão liderada pelos Estados Unidos para escoltar ao navios no Estreito de Ormuz, uma missão rejeitada pelo Irã.