Internacional Irã iniciou instalação de centrífugas mais rápidas, segundo AIEA

Irã iniciou instalação de centrífugas mais rápidas, segundo AIEA

O país garante que produz urânio apenas para fabricar combustível de reator e com propósitos científicos

Técnico iraniano anda pela usina nuclear da cidade de Isfahan, a 410 km da capital Teerã

Técnico iraniano anda pela usina nuclear da cidade de Isfahan, a 410 km da capital Teerã

AP Photo/Vahid Salemi

O Irã intensificou seus trabalhos de enriquecimento de urânio com a instalação de novas centrífugas na sua principal usina atômica em Natanz, informou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) nesta quinta-feira (21) em Viena.

O fato representa uma transgressão das exigências da comunidade internacional, que pede a interrupção completa do enriquecimento de urânio como uma medida para se criar confiança, e aumenta os temores de que o Irã terá mais rapidamente o material necessário para fabricar uma bomba atômica.

Um relatório reservado da AIEA, emitido hoje a seus Estados-membros, detalha que cerca de 100 destas centrífugas, do tipo IR-2m, parecem já ter sido instaladas, mas ainda não estão em funcionamento.

Guia supremo do Irã rejeita oferta americana de diálogo

Irã rejeita conversa com EUA sobre programa nuclear

Segundo um anúncio do Irã em uma carta recentemente enviada à AIEA, a agência estima que a República Islâmica pretende instalar 18 cascatas (com entre 164 e 174 unidades cada uma) das novas centrífugas em Natanz.

Isto representará 3 mil unidades do tipo "IR-2m", que são de três a seis vezes mais rápidas que as "IR1" usadas até agora.

A AIEA afirma que o Irã enriqueceu até agora 8.271 Kg de urânio com até 5% de pureza em suas diferentes instalações, 660 Kg a mais que em novembro.

“Ataque contra o Irã pode desencadear uma guerra”, diz ex-chefe da agência nuclear da ONU

Irã usa máquina para amputar membros de condenados

Também já foram produzidos 280 Kg de urânio enriquecido até 20%, 47 Kg a mais que em novembro.

A partir de uma concentração maior que 20%, se considera o urânio como altamente enriquecido, um nível do qual é mais fácil dar um salto para os 90% necessários para a construção de bombas atômicas.

O Irã garante que produz urânio a 20% para fabricar combustível para um reator, com propósitos científicos, em Teerã.

Os Estados Unidos, a União Europeia (UE) e Israel temem que o Irã queira usar um suposto programa nuclear civil para fins militares.

Teerã nega estas acusações e diz que só tem objetivos pacíficos, como a geração de energia elétrica e a luta contra o câncer.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

Últimas