Estados Unidos

Internacional Joe Biden convoca líderes de China e Rússia a negociar controle de armas nucleares

Joe Biden convoca líderes de China e Rússia a negociar controle de armas nucleares

Presidente dos EUA deseja uma maior participação destes dois países nas decisões envolvendo este tipo de armamento

AFP

Resumindo a Notícia

  • Em comunicado, Joe Biden disse que deseja "negociar rapidamente" novo acordo nuclear
  • Acordo nuclear vigente entre EUA e Rússia expira em 2026
  • Para Biden, é necessária a presença da China na mesa de negociações junto dos russos
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em evento na Casa Branca

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em evento na Casa Branca

Anna Moneymaker/Getty Images North America/Getty Images via AFP - 28.7.2022

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lançou um apelo a Rússia e China, nesta segunda-feira (1º), para conversas sobre controle de armas nucleares, afirmando que Moscou tem essa responsabilidade, especialmente, desde a invasão da Ucrânia.

Em um comunicado, Biden explicou que seu governo está disposto a "negociar rapidamente" um texto que substitui o Novo Start, o tratado que limita as armas nucleares intercontinentais dos Estados Unidos e da Rússia e que expira em 2026.

"A Rússia deve mostrar que está disposta a retomar os trabalhos sobre o controle de armas nucleares", afirmou Biden.

"Mas a negociação requer um parceiro disposto a operar de boa-fé. E a agressão brutal e não provocada da Rússia na Ucrânia destruiu a paz na Europa e constitui um ataque aos princípios fundamentais da ordem internacional", completou.

A Rússia vem aumentando sua capacidade nuclear nos últimos anos, embora seu arsenal hoje seja muito menor do que o dos Estados Unidos e da China.

Para Biden, Pequim tem o dever, como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, “de participar de conversas que reduzam o risco de um erro de cálculo e abordem a dinâmica militar desestabilizadora”.

"Não há qualquer benefício para nenhuma das nossas nações, nem para o mundo, em resistir a um compromisso sobre o controle de armas e a não proliferação nuclear", acrescentou o presidente americano.

Biden defendeu que as potências nucleares — Rússia e Estados Unidos especialmente — têm a responsabilidade de marcar a pauta e assegurar o cumprimento do TNP (Tratado de Não Proliferação Nuclear).

"A saúde do TNP sempre repousou em limites de armas significativos e recíprocos entre os Estados Unidos e a Federação Russa. Mesmo no auge da Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética foram capazes de trabalhar juntos para defender nossa responsabilidade compartilhada de garantir a estabilidade estratégica", lembrou Biden.

"O mundo pode confiar em que meu governo continuará apoiando o TNP e buscará fortalecer a arquitetura de não proliferação que protege os povos de qualquer lugar (do mundo)", insistiu.

Últimas