Internacional Julien Blanc se desculpa por ensinar métodos intimidadores e violentos para "pegar mulher"

Julien Blanc se desculpa por ensinar métodos intimidadores e violentos para "pegar mulher"

"Pague-me e estupre todas elas", dizia um tuíte de divulgação de seus cursos

  • Internacional | Do R7

Em uma de suas palestras, Blanc diz que “em Tóquio, se você é um homem branco, pode fazer o que quiser”

Em uma de suas palestras, Blanc diz que “em Tóquio, se você é um homem branco, pode fazer o que quiser”

reprodução

Julien Blanc, o norte-americano que ficou conhecido por ensinar a “pegar” mulheres, se desculpou pela propagação das táticas intimidadoras e violentas em uma entrevista à rede CNN.

“Eu sou o homem mais odiado do mundo”, disse ele.

Segundo ele, as imagens de um vídeo gravado em uma das palestras que ele ministrou estariam “fora de contexto” e teriam sido, por isso, interpretadas de forma errada.

Em um tuíte de divulgação de seus cursos, ele escancara o método.

— Cara, vou te ensinar a estraçalhar a falta de consentimento dela. Pague-me e estupre todas elas.

Quem é Julien Blanc, o guru da sedução com violência

"Pague-me e estupre todas elas": conheça o método de "conquista" de Julien Blanc

Diplomatas dizem que Julien Blanc não poderá entrar no Brasil; Itamaraty não confirma

Em uma de suas palestras, Blanc diz que “em Tóquio, se você é um homem branco, pode fazer o que quiser”.

— E foi aí que eu percebi, cara, agarra ela!

Ele também gesticula e “ensina” aos homens da plateia que eles devem “sufocar” e pegar a cabeça das mulheres e forçá-la em direção ao órgão genital masculino.

— É incrível, eu fui até em grupo, agarrando uma por uma.

Blanc viria ao Brasil em dezembro deste ano, mas uma petição que conseguiu mais de 200 mil assinaturas em 24hs no site Avaaz, poderá fazer com que seu visto seja negado, segundo confirmaram três diplomatas.

O norte-americano também foi deportado da Austrália, depois que a ativista Jennifer Li criou uma petição, que teve mais de 41 mil assinaturas, pedindo sua expulsão do país.

Além disso, petições semelhantes estão sendo feitas no Reino Unido, Japão e Canadá. Juntas, as petições já têm mais de 85 mil assinaturas.

Últimas