Internacional Justiça pede captura de ex-chefe das Farc por descumprir processo de paz

Justiça pede captura de ex-chefe das Farc por descumprir processo de paz

"El Paisa" passa a ser um dos homens mais procurados do país porque a ordem de captura também foi notificada à Interpol

Farc

Ex-chefe do grupo descumpriu três convocações

Ex-chefe do grupo descumpriu três convocações

REUTERS/Jaime Saldarriaga

A JEP (Justiça Especial para a Paz) pediu nesta sexta-feira (26) à polícia e à Interpol que capturem o ex-chefe das Farc, Hernán Darío Velásquez, conhecido como "El Paisa", por descumprir três convocações do alto tribunal e não contribuir para "o êxito da reincorporações" dos guerrilheiros que deixaram as armas.

Em sua primeira decisão desde que começou a funcionar em janeiro do ano passado, o alto tribunal ordenou à Polícia Nacional da Colômbia que prenda Velásquez para que seja colocado à disposição da Sala de Reconhecimento, Verdade e Responsabilidade.

Segundo a magistrada Catalina Díaz Gómez, que leu a ordem ao final da audiência pública, "El Paisa" também perdeu os benefícios de liberdade condicional e o auxílio econômico outorgado pelo governo colombiano aos desmobilizados das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

As decisões se sustentaram no fato que, entre as condições para que os ex-combatentes gozassem dos benefícios jurídicos, estavam a garantia de não repetição e o compromisso com a verdade e a reparação das vítimas.

Segundo a JEP, "El Paisa" não cumpriu essas condições e passa a ser um dos homens mais procurados do país porque a ordem de captura também foi notificada à Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

Em relação ao auxílio econômico, há duas semanas o diretor da ARN (Agência para Reincorporação e Normalização), Andrés Stapper, disse a jornalistas que Velásquez tinha recebido até o momento 12 milhões de pesos (quase R$ 15 mil) pelo seu processo de reincorporação.

Apesar de Velásquez ter perdido seus benefícios, a JEP não o expulsou do sistema porque não foi provado que tenha voltado às armas, uma conduta "muito grave" para quem assinou a ata para acolher-se à justiça transicional.

A audiência foi realizada porque Velásquez não atendeu às convocações da JEP nas quais lhe foi solicitada informação sobre as atividades realizadas quando era guerrilheiro.

As autoridades e o próprio partido Farc dizem desconhecer o paradeiro de Velásquez, que até agosto do ano passado liderava no casario de Miravalle - que faz parte do município de San Vicente de Caguán, no departamento de Caquetá - as reincorporações à vida civil de ex-guerrilheiros da antiga coluna Teófilo Forero, da qual era o chefe.

Além de não apresentar relatórios sobre suas atividades, Velásquez é um dos 31 ex-chefes guerrilheiros que foram convocados em outubro do ano passado pela JEP dentro do processo conhecido como Caso 001, baseado no relatório apresentado pelo Ministério Público colombiano sobre a retenção ilegal de pessoas pelas Farc.

A coluna Teófilo Forero era uma das mais sanguinárias das FARC e teria sido responsável pelo assassinato, em dezembro de 2000, do congressista Diego Turbay Cote, sua mãe e outras cinco pessoas em uma emboscada em Caquetá, entre outros crimes.