Internacional Líder dos talibãs ordena aplicação rigorosa da lei islâmica no Afeganistão

Líder dos talibãs ordena aplicação rigorosa da lei islâmica no Afeganistão

Ladrões poderão sofrer apedrejamento, chicotadas, amputação de membros e até ser condenados à execução pública

AFP
Resumindo a Notícia
  • Líder supremo do Talibã ordenou que juízes apliquem plenamente a lei islâmica

  • Crimes considerados mais graves terão penas diferentes, como castigos corporais

  • Na lista de crimes graves estão adultério, consumo de álcool, roubo e rebelião

Placa no Afeganistão destaca a importância de as mulheres usarem o véu

Placa no Afeganistão destaca a importância de as mulheres usarem o véu

Wakil Kohsar / AFP

O líder supremo do Talibã no Afeganistão ordenou aos juízes que apliquem plenamente a lei islâmica. Isso inclui execuções públicas, apedrejamento, chicotadas e amputação como punição para os ladrões, disse um porta-voz do grupo extremista.

Em um tuíte publicado na noite de domingo (13), o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, disse que a ordem "obrigatória" foi emitida pelo líder supremo do Talibã, Hibatullah Akhundzada, após uma reunião com os juízes.

Akhundzada, que não é filmado nem fotografado em público desde que o Talibã retomou o poder em agosto de 2021, governa o país por decreto a partir de Kandahar, uma cidade no sul do país que é berço do movimento fundamentalista.

"Examinem cuidadosamente os casos de ladrões, sequestradores e rebeldes", escreveu o porta-voz, citando as palavras do líder supremo sobre a aplicação da sharia, a lei islâmica.

"Nos casos em que se cumpram todas as condições da sharia (...) estão obrigados a aplicar" o conjunto de sanções previstas, acrescentou ele.

Mujahid não estava disponível nesta segunda-feira (14) para apresentar mais detalhes.

O líder supremo fez referência aos crimes considerados mais graves de acordo com a lei islâmica, para os quais estão previstas penas diferentes, como castigos corporais.

Na lista de crimes estão adultério e falsas acusações desse delito, consumo de álcool, roubo, renúncia da religião e rebelião.

Segundo os estudiosos islâmicos é necessário reunir provas suficientes para que aconteça uma condenação por qualquer uma dessas infrações. No caso de adultério, por exemplo, é necessário o testemunho ou confissão de quatro adultos muçulmanos do sexo masculino.

Chicotadas


Vídeos e fotos de chicotadas em pessoas acusadas de diversas infrações nas ruas por membros do Talibã inundaram as redes sociais nos últimos meses.

Em seu retorno ao poder, o Talibã prometeu flexibilizar a aplicação da sharia, mas rapidamente retomou uma interpretação rigorosa do Islã, o que marcou seu primeiro período no poder, entre 1996 e 2001.

"Se eles começarem a aplicar realmente os aspectos mais severos da lei islâmica, vão tentar gerar temor em uma sociedade que progressivamente perdeu o medo após seu retorno ao poder", explicou Rahima Popalzai, analista jurídico e político consultado pela AFP.

Na semana passada, os talibãs anunciaram a proibição da entrada de mulheres em parques, academias e banheiros públicos.

Segundo o analista, "o Talibã, como estrutura teocrática, também quer reforçar sua identidade religiosa entre os países muçulmanos".

Os ataques dos últimos meses também podem explicar o pedido de aplicação mais rigorosa da sharia, de acordo com Popalzai.

"Com os ataques recentes, sua afirmação (de ter estabelecido a segurança no país) é questionada, mas eles querem dizer ao mundo: 'Podemos cumprir nossas promessas'", avaliou Popalzai.

Em 30 de setembro, um ataque suicida deixou 54 mortos, incluindo 51 meninas, em um centro de ensino em Cabul, em um bairro da minoria xiita hazara.

O ataque não foi reivindicado, mas o Talibã matou seis membros do braço regional do grupo Estado Islâmico.

Poucos dias depois, em 5 de outubro, uma explosão em uma mesquita do Ministério do Interior deixou quatro mortos.

Últimas