Internacional Manifestantes prometem bloquear acesso ao Parlamento da Bulgária

Manifestantes prometem bloquear acesso ao Parlamento da Bulgária

Protestos que vêm ocorrendo há 11 dias no país pedem a dissolução do governo do primeiro-ministro Boiko Borisov, acusado de corrupção

  • Internacional | Da EFE

Protestos no centro da capital da Búlgaria, Sófia, vêm ocorrendo há 11 dias

Protestos no centro da capital da Búlgaria, Sófia, vêm ocorrendo há 11 dias

Vassil Donev / EFE - EPA - 14.7.2020

Manifestantes que tomaram neste domingo (19) o centro de Sófia pelo 11º dia consecutivo, para pedir a dissolução do governo, prometeram bloquear amanhã o acesso ao Parlamento e a outros prédios públicos do país.

Leia também: O país europeu que vê população minguar ano após ano

"Nesta noite, publicaremos instruções sobre como será a atuação. Vamos levar isso até o fim", afirmou Nikolay Hadzhigenov, umas das lideranças dos protestos.

As manifestações foram convocadas depois que o Ministério Público fez uma operação na sede da presidência búlgara. Dois assessores do presidente Rumen Radev foram detidos, acusados de tráfico de influência e roubo de segredos de Estado.

Acusações de corrupção

Os ativistas que vêm tomando as ruas da Sófia exigem a demissão do primeiro-ministro do país, Boiko Borisov, que é acusado de corrupção; e do promotor-geral, Ivan Geshev, esse último, apontado como ligado ao crime organizado.

Nesta segunda-feira, está previsto que o Parlamento da Bulgária se reúna para discutir uma moção de censura ao governo, que seria a quinta apresentada pela oposição socialista desde a formação, em 2017.

Além da sede do Poder Legislativo, os manifestantes tentarão impedir o acesso ao Palácio de Justiça do país, assim como de outros tribunais e instituições públicas.

Segundo uma pesquisa feita pelo instituto Gallup International, 58% da população búlgara é favorável à dissolução imediata do governo.

Últimas