Internacional Massacre em arena de briga de galos deixa pelo menos 20 mortos no México

Massacre em arena de briga de galos deixa pelo menos 20 mortos no México

Segundo autoridades, pessoas que estavam no local foram vítimas de mais um episódio da guerra do narcotráfico no país

AFP
Polícia investiga autores do massacre em arena de briga de galos

Polícia investiga autores do massacre em arena de briga de galos

Stringer/Reuters - 28.3.2022

Autoridades mexicanas disseram nesta segunda-feira (28) que ao menos 20 pessoas morreram neste domingo (27) à noite em um tiroteio atribuído a gangues do crime organizado em Michoacán, no oeste do México.

"Dezenove corpos sem vida (16 homens e 3 mulheres), que apresentavam ferimentos provocados por armas de fogo", foram encontrados na localidade de Tinajas, em um local destinado a brigas ilegais de galos, shows e bailes populares. 

Um homem morreu enquanto era levado para receber atendimento médico, portanto "são 20 pessoas que morreram nesta agressão", informou a Procuradoria-Geral do Estado (FGE, na sigla em espanhol).

Além disso, acrescentou que outras cinco pessoas ficaram feridas e foram levadas para hospitais.

"Foi um massacre de um grupo contra outro em um palanque clandestino de onde atiraram nos participantes, e infelizmente houve muitas mortes", disse o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, nesta segunda-feira. 

"Uma equipe [do governo] foi até o local para cuidar da investigação e do assunto", acrescentou o presidente em sua habitual conferência matinal. 

Em um vídeo gravado por um morador, ouvem-se os disparos. Um caminhão também aparece atravessando a estrada de acesso à praça. 

"Meu Deus! Tem tiroteio aqui onde apresentam as danças! É horrível!", diz uma mulher, com voz de angústia, na gravação postada no Facebook. "Muitos gritos, insultos", acrescenta, ao relatar a fuga de pessoas para a parte superior do local em meio à escuridão.

Drogas, combustível e abacates

A FGE foi informada da ocorrência às 22h30 locais (1h30 em Brasília, segunda-feira).  

As autoridades trabalham "com o objetivo de capturar os responsáveis pelos atos violentos registrados em um evento clandestino em Zinapécuaro, onde há vários feridos e mortos", anunciou no Twitter a Secretaria de Segurança Pública de Michoacán.

O México sofre uma onda de violência que deixou quase 340 mil mortos — em sua maioria em ações atribuídas ao crime organizado — desde 2006, quando teve início uma ofensiva militar de combate às drogas. 

O estado de Michoacán e o vizinho Guanajuato estão entre os que registram os maiores índices de violência no México, devido à guerra entre grupos rivais envolvidos no tráfico de drogas e outras atividades ilegais, como o comércio de combustível roubado.

Michoacán também é a maior região produtora de abacate no mundo, e as ameaças feitas por telefone no mês passado contra um inspetor sanitário americano na região levaram o governo dos Estados Unidos a suspender as exportações mexicanas dessa fruta por mais de uma semana.

Um grupo armado assassinou participantes de um velório no estado em fevereiro, entre eles o líder de uma gangue. Meios locais informaram que entre 10 e 17 pessoas morreram.

"É uma possível vingança entre grupos vinculados ao crime organizado, que dependem da mesma estrutura criminal conhecida como Cartel Jalisco Nova Geração", afirmou na ocasião o subsecretário de Segurança Pública Federal, Ricardo Mejía.

O governo não conseguiu determinar o número de mortos no massacre devido à ausência de corpos, mas os perfis genéticos de pelo menos 11 pessoas foram encontrados no local.

Em 2021, Michoacán registrou 2.732 assassinatos, o equivalente a pouco mais de 8% dos 33.315 homicídios dolosos ocorridos em todo o México.

Em 10 de março, o prefeito do município de Aguililla, em Michoacán, César Valencia, foi assassinado a tiros quando estava em uma caminhonete da prefeitura. Mais tarde, foi encontrado o corpo sem vida de um dos membros de sua equipe de trabalho.

Últimas