Internacional Minas terrestres e explosivos já mataram 263 na Colômbia em 2021

Minas terrestres e explosivos já mataram 263 na Colômbia em 2021

Explosões de artefatos antigos e recentes deixam centenas de vítimas todos os anos no país em meio a conflitos internos

Agência EFE
Minas e explosivos são consequências do conflito interno na Colômbia

Minas e explosivos são consequências do conflito interno na Colômbia

Mauricio Dueñas Castañeda / EFE - Arquivo

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) informou nesta terça-feira que 263 pessoas, entre elas 21 menores de idade, foram vítimas de explosivos e minas terrestres na Colômbia no primeiro semestre deste ano.

Leia também: Ex-general do Exército colombiano será acusado por 104 assassinatos

O chefe da delegação do CICV na Colômbia, Lorenzo Caraffi, detalhou que 156 das vítimas são civis (59%) e 107 são combatentes tanto das forças públicas como de grupos armados.

"A presença de artefatos explosivos continua gerando graves consequências humanitárias em diversos territórios do país. No primeiro semestre de 2021, registramos 263 vítimas de artefatos explosivos, o que representa 67% do total de vítimas que registramos em 2020", explicou Caraffi.

Os acidentes com artefatos explosivos — como minas terrestres, dispositivos de detonação controlada e explosivos lançados — ocorreram em dez dos 32 departamentos do país.

"Entre os departamentos, Cauca (sudoeste) e Norte de Santander (na fronteira com a Venezuela) concentraram 71% das vítimas registradas", detalhou Caraffi.

O CICV expressou preocupação com "o aprofundamento deste fenômeno e a dura realidade que as comunidades têm que viver", pois seis a cada dez vítimas são civis.

As vítimas desses explosivos muda "para sempre a vida das pessoas, e os que sobrevivem têm que viver com as consequências psicológicas e físicas ao longo da vida".

No primeiro semestre de 2020, o CICV documentou que 181 pessoas (126 civis e 55 combatentes) foram afetadas por diferentes artefatos explosivos, número que subiu para 389 em todo o ano passado. Os "acidentes com artefatos explosivos" ocorreram em 14 departamentos do país.

Últimas