Ministro da Romênia renuncia após resposta policial a morte de menor

Adolescente de 15 anos ligou em várias ocasiões ao número de emergências pedindo ajuda ao ser sequestrada. Polícia levou 19 horas para agir

Nicolae Moga apresentou sua renúncia

Nicolae Moga apresentou sua renúncia

Partidul Social Democrat/Wikicommons/CC BY 2.0

O ministro do Interior da Romênia, Nicolae Moga, apresentou nesta terça-feira (30) sua renúncia após as duras críticas recebidas pela falta de resposta policial às ligações de uma menor sequestrada e assassinada na semana passada.

"Tomei esta decisão para salvar parte do prestígio desta instituição, que foi muito afetada depois das atividades deficitárias de alguns funcionários", disse Moga em entrevista coletiva em Bucareste.

O ministro se referia à atuação da polícia depois que Alexandra Macesanu, de 15 anos, ligou na quinta-feira em várias ocasiões ao número de emergências pedindo auxílio e explicando que tinha sido sequestrada e estuprada, e estava retida em uma casa da cidade de Caracal, no sul do país.

As forças de ordem demoraram 19 horas para localizar o lugar desde onde a ligação foi feita.

Quando chegaram ao imóvel, detiveram um homem que confessou ter assassinado Alexandra e ser o responsável pela morte de Luiza Melencu, uma jovem de 18 anos desaparecida em abril.

Na casa do acusado, que se chama Gheorghe Dinca e tem 65 anos, foram encontrados restos humanos e objetos pessoais de Macesanu.

As críticas pela demora para localizar a casa onde a menor foi assassinada forçaram ontem a renúncia do diretor do Serviço de Telecomunicações Especiais (STS), responsável pelo número de emergências ao qual ligou Macesanu pedindo ajuda.

Desde a detenção de Dinca na sexta-feira passada, milhares de romenos se manifestaram contra o Governo por corrupção e falta de eficácia.

O presidente do país, o conservador Klaus Iohannis, se somou às críticas e sugeriu que o Governo social-democrata liderado pela primeira-ministra Viorica Dancila poderia ser "o autor moral da tragédia".