Internacional Ministro das Relações Exteriores de Israel faz visita oficial ao Bahrein

Ministro das Relações Exteriores de Israel faz visita oficial ao Bahrein

Yair Lapid irá inaugurar embaixada após um ano da retomada das relações diplomáticas entre os dois países

AFP
Ministro israelense das Relações Exteriores, Yair Lapid, desembarcou no Bahrein nesta quinta-feira (30)

Ministro israelense das Relações Exteriores, Yair Lapid, desembarcou no Bahrein nesta quinta-feira (30)

Mazen MAHDI AFP

O ministro israelense as Relações Exteriores, Yair Lapid, desembarcou nesta quinta-feira (30) no Bahrein para inaugurar a embaixada de seu país em Manama, um ano depois da normalização das relações bilaterais.

Esta é primeira visita de um chefe da diplomacia de Israel a este país do Golfo, uma viagem que também será marcada pala assinatura de vários acordos de cooperação.

A participação das mulheres nas forças de defesa de Israel

Além disso, nesta quinta-feira aconteceu o primeiro voo comercial entre a capital bareinita e Tel Aviv.

Os membros da tripulação exibiram as bandeiras do Bahrein e de Israel nas janelas da cabine do avião quando a aeronave pousou no aeroporto israelense Ben Gurion.

"Estou muito orgulhoso de representar Israel na primeira visita oficial e histórica ao reino (do Bahrein)", tuitou Lapid em árabe e hebreu após o desembarque no aeroporto de Manama.

Lapid se reuniu mais tarde com seu colega bareinita Abdullatif al-Zayani.

"Conversamos sobre a cooperação entre nossos países e de transformar a paz oficial entre nós em uma amizade ativa, econômica, de segurança, política e cívica", tuitou.

Manifestantes queimaram pneus na cidade para protestar contra a visita de Lapid. 

Uma parte importante da sociedade do Bahrein se opõe ao estabelecimento de relações com Israel e apoia a causa palestina.

A 'hashtag' "Bahrein contra o sionismo" se tornou popular nas redes sociais.

Os habitantes do país se negam que "sua terra seja profanada por gangsteres sionistas", tuitou Ibrahim Sharif, ativista dos direitos humanos. 

O partido xiita de oposição Al Wefaq considera a visita uma "provocação ao povo do Bahrein que se preocupa com a causa palestina".

A estrada que leva ao aeroporto recebeu um reforço de segurança e nenhuma bandeira de Israel foi hasteada para a ocasião.

Em 15 de setembro de 2020, o Estado do Golfo assinou, ao mesmo tempo que os Emirados Árabes Unidos, um acordo de normalização com Israel. 

Os dois países se tornaram os primeiros Estados árabes a reconhecer Israel após o Egito, em 1979, e a Jordânia, em 1994.

Os palestinos denunciaram uma "punhalada pelas costas" e acusaram Emirados e Bahrein de trair "o consenso árabe", que há décadas condiciona qualquer acordo com Israel a um acordo de paz prévio com os palestinos.

O governo americano do ex-presidente Donald Trump promoveu os chamados Acordos de Abraão, em troca de diversas concessões econômicas ou políticas aos países árabes em questão.

Esta campanha diplomática também levou a acordos similares com Marrocos e Sudão.

Em 29 de junho, Lapid inaugurou nos Emirados a primeira embaixada de Israel no Golfo durante uma visita oficial sem precedentes. Ele viajou ao Marrocos em 11 de agosto para assinar acordos de cooperação.

Próxima dos Emirados e Bahrein, a Arábia Saudita, maior potência econômica do mundo árabe, se nega a normalizar os vínculos com Israel e insiste na necessidade de resolver primeiro a situação dos palestinos.

Riad negou as informações divulgadas pela imprensa israelense sobre um encontro entre o ex-primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu e o príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman.

Últimas