Internacional Mulher que teria vivido por 15 anos com cadáver do pai é encontrada morta em Portugal

Mulher que teria vivido por 15 anos com cadáver do pai é encontrada morta em Portugal

Descoberta ocorreu após vizinhos alertarem sobre mau cheiro que saía do imóvel; filha morreu há pelo menos cinco dias

  • Internacional | Maria Cunha*, do R7

Resumindo a Notícia
  • Autoridades de Portugal encontraram os corpos de um pai e uma filha dentro de apartamento.

  • Surpresa ocorreu quando foi descoberto que os dois morreram com anos de diferença.

  • Mulher tinha morrido fazia cinco dias; homem tinha sido mumificado havia mais de uma década.

  • Informação levantou suspeita de que a mulher conviveu por mais de 15 anos com o cadáver.

Autoridades não encontraram nenhum indício de crime

Autoridades não encontraram nenhum indício de crime

Reprodução

Autoridades de Portugal encontraram na tarde do último domingo (16) os corpos de um pai e uma filha dentro do apartamento da família, na vila Linda-a-Velha, em Oeiras. A descoberta ocorreu após os vizinhos alertarem a polícia sobre o mau cheiro que saía do imóvel, que parecia estar abandonado. 

A surpresa, no entanto, ocorreu quando foi descoberto que os dois morreram com anos de diferença, pois os corpos estavam em estágios diferentes de decomposição. A mulher, de aproximadamente 60 anos, havia morrido fazia pelo menos cinco dias e estava na sala, enquanto o homem tinha sido mumificado havia mais de uma década e estava em um dos quartos.

"O corpo [do pai] estava na cama, vestido de pijama e com um lençol cobrindo metade do corpo. Não tinha cheiro, estava mumificado. Estava há vários anos ali", disse na segunda-feira (17) o segundo comandante do Corpo de Bombeiros, Edgar Cassamo, ao jornal português JN Direto. 

A informação levantou a suspeita de que a mulher pode ter convivido por mais de 15 anos com o cadáver do pai em casa, antes de morrer. De acordo com uma vizinha, o item mais comprado pela proprietária do apartamento, além de água mineral, era água sanitária, e havia reclamações sobre o cheiro do produto vindo do imóvel.

Em razão disso, a polícia suspeita que a substância era usada para esconder o odor do cadáver do pai da mulher. Mas, até o momento, as autoridades não encontraram nenhum indício de crime. 

No local, estiveram agentes dos Bombeiros Voluntários do Dafundo com três carros, policiais da Segurança Pública de Portugal e agentes da Polícia Judiciária. A investigação continua.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Sofia Pilagallo

Últimas