Internacional Nova York se despede de sua última cabine telefônica

Nova York se despede de sua última cabine telefônica

Local comum para realizar ligações no passado perdeu espaço para os celulares e hoje é considerado uma relíquia

Agência EFE
Remoção da última cabine telefônica de Nova York

Remoção da última cabine telefônica de Nova York

Reprodução Twitter/@LinkNYC

A última cabine telefônica restante em Nova York, nos EUA, que convivia com a era dos telefones celulares, foi removida nesta segunda-feira (23).

Ela ficava na região central de Manhattan e pertencia à Titan, uma empresa que, em 2010, comprou da operadora telefônica Verizon as 1.300 cabines que então existiam na cidade para usá-las como suportes publicitários. Apesar disso, todas foram sendo retiradas ao longo dos anos.

Em 2015, a Câmara Municipal de Nova York começou a instalar quiosques de última geração, que agora já são 2.000, os quais permitem aos nova-iorquinos ter uma conexão wi-fi gratuita em um raio próximo, carregar baterias e fazer ligações sem custo, medida que foi crucial para o adeus às cabines.

Em uma pequena cerimônia hoje para marcar o fim de uma era, o presidente do distrito de Manhattan, Mark Levine, foi na contramão da nostalgia, dizendo que as cabines "fizeram todos sofrer igualmente".

Ele lembrou os muitos telefones sem sinal, as cabines que engoliam moedas e as longas filas de usuários.

Mas, para quem quiser matar um pouco da saudade, ou a curiosidade, por não ter usado um desses telefones, ainda existem quatro lugares de estética 'vintage' na West End Avenue, utilizados principalmente por turistas ou simples "instagramers" que tiram fotos dentro das relíquias. 

Últimas