Internacional Novo presidente do Irã toma posse e se diz aberto à diplomacia

Novo presidente do Irã toma posse e se diz aberto à diplomacia

Ebrahim Raisi afirmou que buscará retirar as sanções que no momento afetam as atividades econômicas do país

AFP
Ebrahim Raisi tomou posse nesta quinta como novo presidente do Irã

Ebrahim Raisi tomou posse nesta quinta como novo presidente do Irã

Atta Kenare / AFP - 5.8.2021

O novo presidente iraniano, o ultraconservador Ebrahim Raisi, anunciou nesta quinta-feira (5) durante sua posse que apoiará qualquer iniciativa para suspender as sanções ocidentais, mas advertiu que nem elas nem a pressão impedirão o Irã de defender seus "direitos legais".

Leia também: Ultraconservador Raisi é eleito presidente do Irã no primeiro turno

Raisi foi empossado hoje perante o Parlamento, embora tenha oficialmente iniciado seu mandato de quatro anos na terça-feira, após ser empossado pelo guia supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

"Vou me dedicar a servir ao meu povo, honrar o país, propagar a religião e a moralidade e apoiar a verdade e a justiça", jurou Raisi, ex-chefe da Autoridade Judicial, durante cerimônia nesta quinta-feira em Teerã, transmitida ao vivo pela televisão estatal.

O novo governante substituiu o moderado Hassan Rohani, cuja principal conquista em seus dois mandatos foi o acordo nuclear de 2015 entre o Irã e seis potências ocidentais.

Crise e sanções

Mas o país tem enfrentado uma profunda crise econômica e social desde que o ex-presidente americano Donald Trump retirou unilateralmente seu país do acordo em 2018 e voltou a impor sanções.

Nesta quinta-feira, ele afirmou que apoiará "qualquer plano diplomático" que permita o levantamento dessas sanções, mas ressaltou que nem as sanções nem a pressão impedirão o Irã de defender seus "direitos legais".

Logo após a posse de Raisi, os Estados Unidos pediram uma retomada "rápida" das negociações para reativar um acordo nuclear e forçar o Irã a cumprir seus compromissos, em troca do levantamento das sanções de Washington.

"Pedimos ao Irã para voltar logo às negociações", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price. "Para nós, esta é uma prioridade urgente".

O Irã realizou seis rodadas de negociações com potências mundiais entre abril e junho em Viena para tentar ressuscitar o acordo nuclear, mas a última rodada de diálogo terminou em 20 de junho sem data marcada para a próxima reunião.

O novo governo tentará suspender as sanções "opressivas", mas "não vinculará as condições de vida do país à vontade dos estrangeiros", apontou Raisi na terça-feira.

O presidente de 60 anos enfrenta advertências dos Estados Unidos, Reino Unido e Israel sobre um ataque mortal na semana passada a um petroleiro, pelo qual Teerã nega responsabilidade.

Nesta quinta-feira, o ministério das Relações Exteriores iraniano alertou Israel para se abster de qualquer ação militar contra a República Islâmica, após nova ameaça.

"Em uma nova violação insolente da lei internacional, o regime israelense está agora ameaça abertamente o #Iran com uma ação militar", disse o porta-voz da diplomacia iraniana, Said Khatibzadeh, no Twitter.

"Dizemos claramente: QUALQUER ação imprudente contra o Irã levará a uma resposta DECISIVA", advertiu Khabitzadeh. "Não nos coloque à prova".

O Irã também tem sido duramente atingido pela pandemia de covid-19, com mais de quatro milhões de casos e mais de 92.000 mortes.

- “Estendo a mão" -

Sua cerimônia de posse contou com a presença de cerca de 80 autoridades estrangeiras, incluindo o presidente afegão, Ashraf Ghani, e o líder do movimento islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, Ismail Haniyeh, e os chefes do Parlamento da Rússia, Síria e África do Sul, de acordo com a televisão estatal.

Também esteve presente o negociador nuclear europeu, Enrique Mora, que se encontrou nesta quarta-feira em Teerã com o ministro das Relações Exteriores, Javad Zarif.

Teerã "estará do lado dos oprimidos", disse Raisi, estejam eles "no coração da Europa, na América ou na África, no Iêmen, na Síria ou na Palestina". “Somos os verdadeiros defensores dos direitos humanos”, disse.

Uma das prioridades de seu governo será melhorar as relações do Irã com seus vizinhos, disse ele. “Estendo a mão da amizade e da fraternidade a todos os países da região, especialmente aos nossos vizinhos”.

O governo Raisi consolida o poder nas mãos dos conservadores, que venceram as eleições legislativas de 2020, marcadas pela desqualificação de milhares de candidatos reformistas e moderados.

O novo presidente iniciou os trabalhos já na quarta-feira, presidindo uma reunião da equipe de trabalho sobre o coronavírus e se reunindo com ministros do governo cessante, segundo o site da Presidência.

Raisi enfrenta desafios em várias frentes, notaram vários meios de comunicação iranianos após a sua posse.

As sanções dos EUA sufocam o Irã e suas exportações de petróleo, enquanto a economia contraiu mais de 6% em 2018 e 2019.

O presidente terá que "enfrentar múltiplos desafios devido à miríade de problemas", disse o editorial do jornal ultraconservador Kayhan na quarta-feira, citando "inflação sem precedentes", altos custos de habitação, recessão e corrupção.

Na próxima semana, o chefe de Estado apresentará seus candidatos a cargos ministeriais, segundo a televisão. O novo Executivo será fruto de um "consenso nacional", prometeu Raisi.

Últimas