Nuvem de gafanhotos perde velocidade e continua na Argentina

Por causa das más condições no clima na região, os pesquisadores ainda não conseguiram definir a localização exata do grupo de insetos

Espécie Schistocerca cancellata, gafanhoto que ameaça cultivos na Argentina

Espécie Schistocerca cancellata, gafanhoto que ameaça cultivos na Argentina

Reprodução/Senasa

O engenheiro agrônomo e coordenador do Programa Nacional de Gafanhotos do Senasa (Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar), Héctor Medina, informou nesta sexta-feira (26) que a nuvem de gafanhotos se encontra nos arredores de Sauce, na província de Corrientes, na Argentina.

Leia mais: Nuvem de gafanhotos: o que se sabe sobre ameaça à agricultura que se aproxima do Brasil

"A baixa temperatura dos últimos dias não permitiu um movimento de grandes dimensões da praga. Ontem recebemos um aviso de produtores da zona rural de Curuzu Cuatiá que avistaram a nuvem próximo deste região, que é na verdade a mesma região onde já estávamos monitorando", disse o engenheiro agrônomo.

Pontos vermelhos (nuvens) no mapa estão na Argentina

Pontos vermelhos (nuvens) no mapa estão na Argentina

Reprodução/Senasa/ 26.06.2020

A nuvem de gafanhotos vem sendo monitorada pelos governos da Argentina, Brasil e Uruguai nesta última semana. Estima-se que a nuvem tenha aproximadamente 20km² de extensão e dependendo das condições do vento, poderia percorrer até 150km em um dia.

Contudo, as baixas temperaturas da região onde está a nuvem fez com que seu deslocamento fosse reduzido. De acordo com Medina, o Senasa ainda aguarda uma melhora das condições do tempo para poder utilizar um avião e detectar a localização exata da praga.