Internacional O presidente, o advogado e a atriz pornô: o roteiro da crise de Trump

O presidente, o advogado e a atriz pornô: o roteiro da crise de Trump

Como o presidente dos EUA, Donald Trump, seu advogado, Michael Cohen, e a atriz pornô Stormy Daniels podem acabar frente a frente em um tribunal

trump stormy daniels

Stormy Daniels e Donald Trump ainda podem se encontrar no tribunal

Stormy Daniels e Donald Trump ainda podem se encontrar no tribunal

Reuters / Brendan Mcdermid e Joshua Roberts

Parece um roteiro de filme ruim. Um milionário tem um caso com uma atriz de filmes adultos enquanto sua esposa se recupera após dar à luz o primeiro filho do casal. Dez anos depois, ele é eleito presidente da maior economia do mundo. Dias antes da eleição, seu advogado oferece um bom dinheiro para que ela não conte nada sobre o caso. Juntos, eles vivem incríveis confusões.

Parece filme, mas é exatamente este o caso que se desenrola em cortes e manchetes de jornal dos Estados Unidos. O presidente norte-americano, Donald Trump, pode ser prejudicado porque decidiu se manifestar de forma pública contra a atriz pornô Stormy Daniels. Ela, por sua vez, recebeu 130 mil dólares (cerca de 455 mil reais) de Michael Cohen, advogado considerado braço direito de Trump antes de sua eleição.

Dinheiro em troca de silêncio

Cohen confirma o pagamento, em troca de um acordo de confidencialidade que impediria a atriz de se manifestar publicamente sobre o caso. Segundo ele, no entanto, o dinheiro viria de um empréstimo que ele contratou por conta própria. Trump não teria conhecimento de nada.

Stormy Daniels, por sua vez, se comprometeu a devolver o dinheiro e quebrou o silêncio sobre o caso, após divulgar que Trump não teria assinado o contrato e, que por isso, o documento não teria validado. O processo que corre na Justiça da Califórnia para derrubar o acordo foi suspenso esta semana por 90 dias por causa da situação de Cohen.

Na mira do FBI

O advogado está em maus lençóis. No início do mês, investigadores do FBI fizeram buscas nos escritórios onde ele trabalha, em Nova York, e apreenderam computadores e documentos, muitos deles relativos ao acordo com a atriz.

Considerado um dos principais amigos de Trump, Cohen é conhecido como a pessoa que faz os problemas do atual presidente norte-americano 'desaparecerem'. Na investigação, ele revelou que também trabalhou para Sean Hannity, apresentador de TV e radialista, para manter em sigilo um caso que ele teve com uma ex-modelo da Playboy.

Michael Cohen, advogado de Trump, deixa tribunal

Michael Cohen, advogado de Trump, deixa tribunal

Reuters / Lucas Jackson / 26.4.2018

Na semana passada, a ação de Stormy na Califórnia foi suspensa para que ele não precise quebrar seu sigilo profissional na relação advogado-cliente com Trump, protegido pela constituição.

Difamação nas redes

Para complicar ainda mais o cenário, Stormy Daniels também entrou com um processo por difamação contra Donald Trump.

O presidente criticou a atriz, em seu perfil no Twitter, por conta da divulgação de um retrato falado, que mostra um homem que a teria ameaçado para que não divulgasse nada sobre o atual presidente, ainda em 2011, cinco anos antes da eleição.

No texto publicado na rede social, Trump dá a entender que a atriz inventou a ameaça. Foi a primeira vez que ele se manifestou publicamente sobre a confusão com Stormy Daniels desde que o caso tomou conta do noticiário norte-americano.

Ao negar a ameaça e a existência do homem, Trump insinua que a denúncia feita pela atriz foi falsa, algo que é proibido pela legislação de diversos estados norte-americanos.

O advogado de Stormy Daniels, Michael Avenatti, disse que ela sofreu danos morais em torno de US$ 75 mil  (R$ 263 mil). O novo processo pode ser uma estratégia para forçar o presidente a depor sob juramento em um tribunal, algo que seus advogados tentam evitar a qualquer custo.

Trump pode ser afastado do cargo pelo caso?

O pagamento de 130 mil dólares, feito à atriz 11 dias antes da eleição de 2016, também pode complicar a situação do presidente.

A investigação do FBI tenta descobrir se o valor foi pago por Trump, uma de suas empresas ou pelo comitê de campanha, por meio de uma empresa de fachada, aberta por Cohen apenas para fazer o depósito, violou as leis eleitorais dos Estados Unidos.

Como esse filme termina ainda é um mistério, mas as próximas cenas, envolvendo o homem que ocupa o cargo mais importante do mundo se defendendo em um tribunal de acusações feitas por uma estrela pornô, são inéditas na política norte-americana.

    Access log