Internacional ONU denuncia registro de 25 mortes entre civis na Ucrânia

ONU denuncia registro de 25 mortes entre civis na Ucrânia

O presidente do país, Volodmir Zelenski, por sua vez, afirmou que o número de óbitos entre os cidadãos já chegou a 137

Agência EFE
ONU denuncia ameaças a jornalistas na Ucrânia

ONU denuncia ameaças a jornalistas na Ucrânia

Reuters - 25.2.2025

O Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos alertou nesta sexta-feira (25) para o aumento do número de vítimas civis durante a ofensiva da Rússia contra a Ucrânia e divulgou ter recebido informações de, ao menos, 25 baixas e de 102 pessoas feridas por causa de bombardeios.

A maioria dos registros, 23 dos óbitos e 91 dos feridos, ocorreu em regiões controladas pelo governo ucraniano — Donetsk, Cherkasy, Chernihiv, Kharkiv, Kherson e Lugansk, segundo informou a porta-voz do gabinete liderado pela chilena Michelle Bachelet, Ravina Shamdasani. "Os civis estão aterrorizados diante da possível escalada do conflito. Muitos deles estão tentando deixar seu lar e se refugiar, na medida do possível", disse a representante do Escritório da ONU em entrevista coletiva.

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, por sua vez, afirmou que o número de mortes entre civis já chegou a 137.

Shamdasani informou que a missão de observação dos direitos humanos na Ucrânia, que já estava trabalhando no território, segue atuando, embora tenha dificuldade de confirmar informações recebidas, devido à onda de notícias falsas relacionadas ao conflito.

"Há uma guerra informativa, e estamos recebendo muitas informações que, após serem analisadas, se provam completamente falsas. Por isso, estamos sendo extremamente cautelosos na hora de divulgar números entre vítimas civis", explicou a porta-voz.

A representante do gabinete de Bachelet ainda afirmou que estão sendo denunciados casos de jornalistas que sofrem com tentativas de impedimento da realização do trabalho na região do conflito. "Devemos respeitar a proteção dos jornalistas e profissionais de imprensa, especialmente nessas circunstâncias, porque é crucial receber informação objetiva sobre a situação no território", afirmou Shamdasani. 

Arte/R7

Últimas