Internacional ONU pede alívio da dívida de países devido à pandemia

ONU pede alívio da dívida de países devido à pandemia

As Nações Unidas se propuseram a buscar ações coletivas para responder com urgência em seis áreas, incluindo o problema da dívida soberana

  • Internacional | Da EFE

Guterres falou na abertura de uma cúpula virtual

Guterres falou na abertura de uma cúpula virtual

Manuel Elias/ ONU via EFE - 23.3.2020

O secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterres, pediu nesta quinta-feira (28) a redução da dívida de qualquer país em desenvolvimento ou de renda média que precise de dinheiro devido a crise causada pelo novo coronavírus. Ele sugeriu também um plano coordenado de recuperação em escala global.

Leia mais: ONU convoca reunião para ajudar países em desenvolvimento

Guterres falou na abertura de uma cúpula virtual em que participaram várias dezenas de chefes de estado e de governo para discutir novas necessidades de financiamento para políticas de desenvolvimento no contexto da pandemia da covid-19.

As Nações Unidas se propuseram a buscar ações coletivas para responder com urgência em seis áreas, incluindo o problema da dívida soberana.

O diplomata português alertou que as consequências econômicas resultantes da pandemia ameaçam causar uma onda de crises de dívida que complicariam a resposta à doença e retardariam o progresso do desenvolvimento durante os próximos anos.

Planos de ajuda

Para Guterres, a suspensão temporária do serviço da dívida dos países mais pobres já acordada pelo G20 é "um primeiro passo", mas essas medidas devem ser estendidas a qualquer país em desenvolvimento ou de renda média que o solicite por apresentar dificuldades de financiamento nos mercados.

Além disso, a ONU considera necessário buscar "formas criativas e incentivos" para que os credores privados, que possuem grande parte da dívida soberana dos países em desenvolvimento, também participem de programas de assistência.

Guterres enfatizou a necessidade de responder "com unidade e solidariedade" e deixou claro que uma recuperação adequada da pandemia custará dinheiro, mas que não fazer isso custará ainda mais.

Últimas