Internacional Parlamento da França aprova projeto por economia verde

Parlamento da França aprova projeto por economia verde

País almeja reduzir a emissão de gases do efeito estufa em cerca de 40%, em comparação a 1990, até 2030

Projeto tem o objetivo de tornar a economia francesa mais sustentável

Projeto tem o objetivo de tornar a economia francesa mais sustentável

REUTERS/Sarah Meyssonnier

A Assembleia Nacional da França aprovou nesta terça-feira (4) um projeto de lei abrangente contra mudanças climáticas que impedirá futuras expansões de aeroportos, proibirá aquecedores de terraços ao ar livre e diminuirá resíduos de embalagens.

A França almeja reduzir as emissões de efeito estufa em 40% até 2030 na comparação com os níveis de 1990, mas ativistas ambientais dizem que o país está se arrastando. Em um veredicto histórico em fevereiro, um tribunal determinou que o governo francês precisa fazer mais para combater a mudança climática.

Leia mais: Conflito na Etiópia separou milhares de crianças de seus pais

Depois de mais de 200 horas de debate em comissões parlamentares e na câmara baixa, parlamentares aprovaram o projeto de lei por 332 votos a 77.

"Ao invés de grandes palavras e objetivos imensos e inalcançáveis que só geram resistência social, estamos adotando medidas eficazes", disse a ministra do Meio Ambiente, Barbara Pompili, à câmara.

A legislação vem na esteira de uma consulta popular durante a qual 150 membros do público sugeriram dezenas de medidas para conter as emissões.

Diversos participantes criticaram o presidente francês, Emmanuel Macron, por diluir suas ideias, mas a um ano da eleição presidencial e vendo partidos verdes se saindo bem em outras partes da Europa, Macron espera que o projeto de lei reforce suas credenciais ambientais.

Leia mais: Meghan Markle vai lançar livro infantil inspirado na família

O Greenpeace disse que a legislação não foi longe o suficiente.

"É uma lei que poderia ter sido adequada 15 anos atrás (...) Em 2021, não bastará para enfrentar com eficiência o aquecimento global", disse Jean-François Julliard, chefe do Greenpeace da França.

Últimas