Internacional Pentágono desvincula Xiaomi do Partido Comunista Chinês

Pentágono desvincula Xiaomi do Partido Comunista Chinês

A empresa de tecnologia já havia insistido que não é propriedade e nem controlada pelo governo da China

Xiaomi estava em lista de empresas vinculadas ao Partido Comunista Chinês

Xiaomi estava em lista de empresas vinculadas ao Partido Comunista Chinês

GREG BAKER / AFP

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos aceitou retirar a fabricante de smartphones e equipamentos eletrônicos Xiaomi de sua lista de empresas vinculadas ao Partido Comunista Chinês, segundo uma apresentação judicial publicada na última hora da terça-feira (11). 

A Xiaomi recorreu ao Pentágono e ao Tesouro americano por conta da ordem emitida em 14 de janeiro pela administração do então presidente Donald Trump, que a incluiu juntamente com outras companhias chinesas em cujos valores os americanos tinham proibido investir.

Leia mais: Conheça a nanoarte, um encontro entre arte, ciência e tecnologia

A medida faz parte da crescente pressão exercida sobre a China em relação às tensões estratégicas e comerciais.

Em março, um juiz federal de Washington criticou a inclusão da Xiaomi na proibição, duvidando das justificativas de segurança nacional do governo americano e a suspendeu temporariamente.

Na terça, os advogados do governo americano disseram que não apelariam da sentença do juiz e que tinham acordado emitir uma ordem para eliminar a designação da Xiaomi como "empresa militar chinesa comunista."

A Xiaomi, cujas ações são cotadas na bolsa de Hong Kong e outras, e no mercado paralelo dos Estados Unidos, tinha insistido em que "não é propriedade nem é controlada pelo governo ou pelos militares chineses, nem está afiliada a eles".

Leia mais: Ciberataque compromete maior empresa de oleodutos dos EUA

"Tampouco o governo ou o exército chinês, nem nenhuma entidade afiliada à base industrial da defesa, possui a capacidade de exercer o controle sobre a gestão ou os assuntos da empresa", havia argumentado.

As ações da Xiaomi subiram 11,3% até US$ 3,45 (cerca de R$ 18,33) no mercado extrabursátil (paralelo à Bolsa de Nova York) norte-americano após a notícia.

Últimas