Internacional Peru entra em alerta após caso de difteria em meio à pandemia

Peru entra em alerta após caso de difteria em meio à pandemia

O governo lançou nesta quarta-feira uma campanha de vacinação contra a doença nas proximidades do local onde ocorreu o caso, em Lima

  • Internacional | Do R7, com Reuters

Agentes de saúde escoltados vacinaram moradores do bairro onde caso apareceu

Agentes de saúde escoltados vacinaram moradores do bairro onde caso apareceu

Reprodução/ Reuters

O Peru relatou seu primeiro caso de difteria após 20 anos no país andino, em um momento em que a cobertura vacinal principalmente para crianças diminuiu devido à crise de saúde desencadeada pelo coronavírus, disse o Governo.

Brigadas de médicos e enfermeiras, protegidas por militares e policiais armados com rifles, lançaram nesta quarta-feira (28), uma campanha de vacinação contra a doença nas proximidades do local onde ocorreu o caso, um bairro pobre de um bairro de Lima.

Leia mais: Perdas no campo podem causar escassez de alimentos no Peru

O vice-ministro da Saúde Pública, Luis Suárez, informou que se trata de uma menina de cinco anos e o governo acionou um alerta epidemiológico nacional em busca de detectar mais casos para tomar medidas de prevenção e controle da doença.

A difteria, bactéria que afeta o trato respiratório, é contraída por contágio por meio das secreções de pessoas infectadas e em casos graves tem “uma mortalidade que pode ultrapassar 10%”, disse Suárez.

O diretor geral da rede Lima do Ministério da Saúde, Alfredo Centurión, informou que cerca de 50 brigadas de profissionais de saúde começaram a mitigar a doença no distrito de La Victoria, onde reside a menina infectada.

“A possibilidade de haver outros casos suspeitos da doença deve ser investigada e ações de vacinação também serão realizadas”, disse na área.

O aparecimento da difteria ocorre em um momento em que o Peru tem mais de 892.000 casos de coronavírus com 34.200 mortes, o que gerou uma crise em seu caótico sistema hospitalar.

Queda na vacinação

As Nações Unidas alertaram em julho que as vacinas contra doenças perigosas como a difteria caíram de forma alarmante durante a pandemia, e três quartos de 82 países relataram interrupções em seus programas devido à falta de equipamentos para profissionais de saúde.

O vice-ministro Suárez disse que a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) alertou em 2019 sobre a presença de difteria em países da região como Brasil, Colômbia, Venezuela e Haiti; e a última vez que foi relatado no Peru foi em 2000.

“Este ano, principalmente, o problema que tivemos em quase todo o continente latino-americano é a baixa cobertura vacinal, principalmente em crianças menores de um ano, que são aquelas que não receberam as vacinas correspondentes”, disse Suárez. a imprensa na terça à noite.

O vice-ministro disse que neste contexto até ao momento este ano a cobertura de vacinas contra difteria e tétano está em 40%, quando deveria rondar os 70%.

Suárez afirmou que a menina acometida "está hospitalizada e estável, porém, devido ao conhecimento da gravidade da doença, está sob cuidados médicos".

No distrito de La Victoria, as brigadas de saúde foram de porta em porta para vacinar não só as crianças, mas também os adultos que, em menor grau, também podem contrair a doença. Algumas pessoas receberam a vacina na rua.

O vice-ministro disse que se busca uma "cerca epidemiológica" no local onde mora a menina infectada para identificar casos suspeitos e vacinar os vulneráveis ​​contra a difteria, que tem um período de incubação de 2 a 5 dias antes do aparecimento dos primeiros sintomas, como febre e dor de garganta.

Últimas