Pivô de escândalo no Nobel é acusado de 'apalpar' princesa

Fotógrafo francês, marido de membro da Academia Sueca acusado de abusar de 18 mulheres, teria assediado princesa Victoria, herdeira do trono da Suécia

Arnault teria molestado princesa em evento

Arnault teria molestado princesa em evento

Reuters / Ints Kalnins / 30.4.2018

O pivô do escândalo que ameaça suspender o prêmio Nobel de Literatura em 2018, Jean-Claude Arnault, está sendo acusado de molestar sexualmente a princesa Victoria, herdeira do trono da Suécia.

Segundo o jornal "Svenska Dagbladet", o fotógrafo francês teria "apalpado" a futura soberana durante um evento da Academia Sueca, responsável pelo Nobel de Literatura, em 2006. Ainda de acordo com o mesmo diário, Victoria foi "socorrida" por uma assistente, que afastou Arnault à força.

A família real da Suécia não comentou a denúncia, mas publicou um comunicado de apoio aos movimentos contra abusos sexuais.

Marido da escritora Katarina Frostenson, ex-integrante da Academia Sueca, o fotógrafo é acusado de assédio e estupro por 18 mulheres.

Os crimes teriam ocorrido entre 1996 e 2017, no âmbito de um clube de literatura do francês que recebia apoio financeiro da entidade do Nobel.

Diversos membros da Academia Sueca renunciaram a seus cargos depois de a organização ter votado contra a expulsão de Frostenson, que acabou forçada a abandonar seu posto.

As saídas têm valor simbólico, já que as nomeações na Academia Sueca são vitalícias, mas os membros podem se recusar a participar de suas atividades, como a escolha do Nobel de Literatura. O atual secretário permanente da instituição, Anders Olsson, já disse que há o risco de o prêmio não ser entregue em 2018.

A decisão sobre a honraria deve ser anunciada em 3 de maio.