China

Internacional Polícia da China treina esquilos para farejar e encontrar drogas

Polícia da China treina esquilos para farejar e encontrar drogas

Segundo as autoridades da cidade de Xunquim, o tamanho dos animais os ajuda a localizar entorpecentes em pequenos espaços

  • Internacional | Do R7

Resumindo a Notícia
  • Polícia da China treinou esquilos para farejar drogas, assim com os cães fazem

  • Segundo autoridades, tamanho dos animais ajuda nas buscas em lugares apertados

  • Quando o esquilo encontra algo suspeito, ele arranha o recipiente para avisar

Ao menos seis esquilos já trabalham para a polícia de Xunquim

Ao menos seis esquilos já trabalham para a polícia de Xunquim

Freepik

As forças policiais da cidade de Xunquim, na China, vão dar aos cães farejadores um novo aliado no combate às drogas. As autoridades do município mais populoso do mundo treinaram um esquadrão de esquilos que vão trabalhar para encontrar entorpecentes durante operações.

No total, serão seis esquilos, que vão possibilitar aos agentes de Xunquim localizarem drogas nos menores e mais apertados locais possíveis, aos quais cães farejadores tradicionais teriam dificuldade de chegar.

De acordo com o portal britânico Daily Mail, os animais foram treinados para cheirar todos os tipos de embalagem. Quando sentem algum odor estranho, os esquilos param e começam a arranhar a caixa, para sinalizar o problema ao policial.

O agente Yin Jin, que antes cuidava dos cães da instituição, foi designado para treinar os esquilos. Segundo o chinês, esse tipo de roedor tem um ótimo faro e, somente agora, técnicas aprimoradas foram elaboradas para esses animais.

“Esses esquilos possuem um senso acurado de cheiro. No passado, nossos programas de treinamento para pequenos roedores não foram desenvolvidos o suficiente”, disse Jin ao portal Global Times.

O país, conhecido por instaurar a Guerra do Ópio contra o Reino Unido no século 19, quer reforçar a postura de tolerância zero contra as drogas. Em 2021, o porta-voz de uma embaixada chinesa afirmou que o tráfico de entorpecentes é o “inimigo comum da humanidade”.

Últimas