Internacional Policiais na França ameaçam greve para se juntar a 'coletes amarelos'

Policiais na França ameaçam greve para se juntar a 'coletes amarelos'

A maior queixa é em relação às condições de trabalho e à tensão a que têm sido submetidos ao serem enviados para conter atos violentos

frança, policiais, greve, coletes amarelos

Dezenas de policiais foram feridos nas manifestações

Dezenas de policiais foram feridos nas manifestações

Gonzalo Fuentes/Reuters/18-12-18

A revolta dos "coletes amarelos" teve prossegumento nesta terça-feira (18), em toda a França. Rodovias foram bloqueadas e pedágios, incendiados. A cada dia, a revolta tem mostrado uma faceta violenta que tem assustado as autoridades.

Para piorar, a polícia também resolveu se revoltar contra as condições de trabalho ainda mais precárias neste período turbulento.

Leia mais: Macron busca solução para crise dos 'coletes amarelos' na França

A organização muitas vezes tem sido criticada pela forma com que contém manifestações, mas, após cinco finais de semana consecutivos em ação, os sindicatos da categoria apontaram outro culpado: o governo, contra quem se dizem indignados. As informações são do Daily Express, em artigo de Romina McGuinness.

A maior queixa de pelo menos três sindicatos é em relação às condições de trabalho e à tensão a que oficiais têm sido submetidos ao serem enviados para conter manifestantes e até bandidos violentos dentro dos protestos. Dezenas já se feriram desde o início da revolta dos "coletes amarelos", em 17 de novembro último.

Por isso, o "Black day for police" foi organizado pelo sindicato Alliance union, a partir do início desta semana.

Os recursos dos policiais têm sido a utilização de gás lacrimogêneo e de jatos de água. Mas muitas vezes eles são recebidos com objetos mais perigosos, como barras de ferro.

A orientação da Alliance em todo o país é para que os policiais só atendam chamadas de emergência. O vice-secretário geral do sindicato, Frédéric Lagache, foi enfático ao reclamar da verba insuficiente do Orçamento de 2019, que destinará ao setor cerca de 62 milhões de euros (R$ 275 milhões).

"A polícia não está indo bem e ninguém está ouvindo."

Também a diretoria do sindicato UNSA-Police defendeu apenas atendimentos urgentes e pediu uma reunião com o presidente Emmanuel Macron. A ideia é cobrar horas extras para o trabalho exaustivo durante as manifestações.

Já o Unité SGP-FO ratificou que a polícia está "no fim de suas ações." E estipulou até 11 de janeiro como prazo para que as demandas sejam atendidas. Caso contrário haverá o "Ato 1", um protesto de policiais no dia 26 de janeiro.

Acuado, o governo já admite ouvir as reivindicações. Pelo Twitter, o ministro do Interior da França, Christophe Castaner, informou que deve se reunir com representantes de sindicatos nesta terça-feira (18).

Para os policiais, não há constrangimento algum em se misturar aos atuais manifestantes, conforme comunicado a UNSA.

"As rotatórias (das estradas) não são apenas reservadas para os 'coletes amarelos'".

Há o perigo, neste momento, dos próprios policiais vestirem os coletes sobre os uniformes. A diferença é que, se alguns deles tiverem algumas reações mais expolsivas, será muito mais difícil ter alguém para contê-los.

Veja a galeria: 'Coletes amarelos' seguem nas ruas, apesar de recuo de Macron

    Access log