Rússia x Ucrânia

Internacional Preocupado com as relações entre Irã e Rússia, Israel conversa com a Ucrânia sobre possível cooperação

Preocupado com as relações entre Irã e Rússia, Israel conversa com a Ucrânia sobre possível cooperação

Desde o início da invasão russa ao país, governo israelita não enviou ajuda militar para governo de Volodmir Zelenski

Agência EFE

Resumindo a Notícia

  • 'Israel está com o povo ucraniano', diz Yair Lapid em comunicado
  • Primeiro-ministro israelense conversou com ministro das relações exteriores ucraniano
  • Israel demonstra preocupação com laços militares entre Irã e Rússia
  • Ucrânia pede sistema antimísseis para se defender dos 'drones kamikazes' da Rússia
Primeiro-ministro israelense Yair Lapid

Primeiro-ministro israelense Yair Lapid

Atef Safadi/EFE/14-06-21

O primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, conversou nesta quinta-feira (20) por telefone com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, que pediu ajuda militar israelense na guerra com a Rússia, em particular o sistema antimísseis Cúpula de Ferro.

"O primeiro-ministro recebeu uma atualização sobre a guerra na Ucrânia e enfatizou que Israel está com o povo ucraniano", informou o gabinete de Lapid em comunicado, que não especificou se Israel mudou a posição sobre a ajuda militar à Ucrânia.

"Na conversa, o primeiro-ministro enfatizou sua profunda preocupação com os laços militares entre o Irã e a Rússia", acrescentou a nota oficial, referindo-se aos últimos ataques russos a várias cidades ucranianas com os letais drones kamikaze, fornecidos pela República Islâmica.

Kuleba anunciou na terça-feira (18) em uma entrevista coletiva em Kiev que enviaria uma nota oficial a Israel solicitando ajuda militar, especificamente suprimentos de defesa aérea, uma questão que teria abordado na conversa telefônica de hoje com Lapid.

Desde o início da guerra, Israel condenou a invasão, apoiou a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e alinhou-se com a posição das potências ocidentais lideradas por Estados Unidos e União Europeia, embora com mais cautela devido à relação até então fluida que tinha com a Rússia.

No entanto, Israel não impôs sanções contra a Rússia nem enviou ajuda militar à Ucrânia, além de materiais de proteção individual para as tropas ucranianas, como capacetes e coletes à prova de balas, para não comprometer a aliança estratégica que mantém com Moscou no contexto do conflito na Síria.

Sob esse acordo e apesar de apoiar lados opostos, a Rússia permite que Israel bombardeie alvos militares pró-Irã em solo sírio, algo muito importante para os interesses de segurança israelenses perto de sua fronteira norte.

A postura morna de Israel irritou o próprio presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, de raízes judaicas, que em várias ocasiões mostrou sua indignação por não ter recebido as armas solicitadas a Israel, em particular o sistema antimísseis Cúpula de Ferro.

Em reunião ontem com embaixadores europeus, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, afirmou que Israel não mudaria sua posição de não enviar ajuda militar à Ucrânia, apesar da entrada no conflito ucraniano dos drones kamikaze do Irã, arqui-inimigo de Israel que o vê como um ameaça existencial.

Gantz mostrou disposição em fornecer à Ucrânia "um sistema de alerta antecipado para salvar vidas", a fim de antecipar ataques aéreos ou de mísseis que atualmente atingem o país, algo que representa um avanço para o envolvimento israelense no conflito.

O ministro da Defesa também agendou uma conversa por telefone com o ministro ucraniano, Oleksii Reznikov, para discutir o assunto hoje, mas esta foi "adiada a pedido da Ucrânia", segundo o gabinete de Gantz.

Últimas