Internacional Presidente da Guiana classifica plano da Venezuela de ameaça iminente a seu país e à paz

Presidente da Guiana classifica plano da Venezuela de ameaça iminente a seu país e à paz

Irfaan Ali anunciou 'medidas de precaução' para proteger o país e declarou que a Força de Defesa da nação está 'em alerta máximo'

  • Internacional | Do R7

Presidente da Guiana fala em coletiva de imprensa

Presidente da Guiana fala em coletiva de imprensa

Presidência da Guiana via Reuters - 06.12.2023

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, afirmou nesta quarta-feira (6) que o plano de ação desenhado pela Venezuela é "uma ameaça iminente" à sua integridade territorial e à paz mundial, razão pela qual anunciou "medidas de precaução" para proteger o país.

O primeiro passo será levar hoje o assunto ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para que esse órgão possa adotar "medidas adequadas", disse o presidente guianense em comunicado.

Ali também declarou que a Força de Defesa da Guiana está "em alerta máximo" e em contato com seus homólogos militares em outros países, incluindo o Comando Sul dos Estados Unidos.

Esta declaração é divulgada depois de o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ter lançado um plano de ação para a região de Essequibo, o território de 160 mil km² em disputa com a Guiana.

Esse plano inclui a concessão de licenças para a exploração de petróleo e destacamentos militares em cidades próximas da área em disputa, embora, por enquanto, Maduro não tenha anunciado uma incursão na área.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

"As medidas anunciadas ignoram descaradamente a ordem emitida pelo Tribunal Internacional de Justiça [TIJ] em 1º de dezembro de 2023", denunciou Ali.

Na sexta-feira passada, o TIJ instou Caracas a "abster-se" de tomar "qualquer ação que modifique" a situação no território ou que possa "agravar ou prolongar" esse litígio perante o tribunal.

No entanto, o Tribunal de Haia não pediu diretamente o cancelamento da realização do referendo do dia 3, como a Guiana havia solicitado.

"Ao desafiar o Tribunal, a Venezuela rejeitou o direito internacional, o Estado de Direito em geral, a justiça e a preservação da paz e segurança internacionais. Declarou-se literalmente uma nação fora da lei", ressaltou o presidente guianense.

Ali advertiu ainda que nada que a Venezuela faça impedirá a Guiana de prosseguir com o caso perante o TIJ nem impedirá que o Tribunal emita a sua decisão sobre esxe litígio, embora Caracas rejeite a jurisdição na matéria.

O presidente da Guiana também afirmou que conversou com o secretário-geral da ONU, António Guterres, e com vários líderes para alertar sobre “esses acontecimentos perigosos e as ações desesperadas do presidente Maduro".

Em sua opinião, essas ações "vão contra o direito internacional e constituem uma grave ameaça à paz e segurança internacionais".

Últimas