Reino Unido

Internacional Primeiro-ministro do Reino Unido dá explicações ao Parlamento sobre festas na pandemia

Primeiro-ministro do Reino Unido dá explicações ao Parlamento sobre festas na pandemia

Boris Johnson e seu gabinete receberam várias multas por eventos com dezenas de pessoas durante o confinamento no país

AFP
Boris Johnson foi multado diversas vezes por fazer festas durante lockdown no Reino Unido

Boris Johnson foi multado diversas vezes por fazer festas durante lockdown no Reino Unido

Daniel LEAL / AFP / POOL

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, comparece nesta terça-feira (19) pela primeira vez desde que foi multado por infringir a lei anti-Covid diante dos deputados que, apesar da indignação, não parecem determinados a mudar de líder em meio à guerra da Ucrânia.

Johnson, sua esposa Carrie e seu ministro das Finanças, Rishi Sunak — segundo cargo mais alto  do governo —, foram multados há uma semana em 50 libras, cerca de R$ 300, por uma festa de aniversário celebrada em 19 de junho de 2020 com dezenas de pessoas na sala do Conselho de Ministros, quando as reuniões sociais estavam proibidas.

Essas são três das cinquenta sanções que a polícia de Londres impôs até agora pelo que é conhecido como partygate, o escândalo das festas ilegais organizadas em dependências do governo durante os confinamentos de 2020 e 2021, que no início do ano puseram em risco a permanência de Johnson no poder.

A investigação, que abrange uma dezena de eventos, desde festas de Natal a festas de despedida, continua aberta. O primeiro-ministro, cuja presença foi notada em outros eventos, pode ser multado novamente. 

O líder conservador, de 57 anos, tornou-se assim o primeiro chefe de governo em exercício a ser punido por violar a lei. Imediatamente pediu "desculpas completas" diante das câmeras de televisão, afirmando que "entende a raiva" dos britânicos, privados naquele momento de se encontrar com seus familiares.

No entanto, rejeitou os pedidos  reiterados de renúncia feitos pela oposição que o acusa de ter mentido ao Parlamento quando afirmou, em dezembro, que as normas anti-Covid não foram infringidas.

De volta nesta terça-feira de seu recesso de Páscoa, os deputados querem explicações de Johnson.

No entanto, ele provocou indignação antes mesmo de discursar, ao optar por combinar suas explicações do partygate com informações sobre a resposta ocidental à guerra na Ucrânia e a crescente crise do custo de vida. 

Seus críticos denunciaram uma tentativa de minimizar o escândalo, mas seu porta-voz garantiu que Johnson é sincero ao admitir seus erros. "Ele respeita plenamente o resultado da investigação" da polícia, disse o porta-voz à imprensa.

Johnson afirmou anteriormente que sempre achou que os diferentes encontros de que participou eram "eventos de trabalho", como a festa pelo seu aniversário de 56 anos que, segundo ele, não durou mais de "dez minutos", com participantes que, como Sunak, estavam ali para uma reunião de gabinete.

Um grande grupo de rebeldes de seu partido, o Partido Conservador, cogitou no início do ano lançar uma moção de censura interna contra ele por esse escândalo. Mas desde que a guerra eclodiu na Ucrânia, em 24 de fevereiro, a ideia de mudar de líder esfriou.

Últimas