Internacional Primeiro-ministro do Sudão está preso em casa de general

Primeiro-ministro do Sudão está preso em casa de general

Abdallah Hamdock foi detido em meio à nova tentativa de golpe militar no país; ONU exige a libertação do premiê

  • Internacional | Do R7, com Ansa Brasil e AFP

Hamdok e outros ministros do Conselho Soberano foram detidos por militares

Hamdok e outros ministros do Conselho Soberano foram detidos por militares

Ashraf Shazly / AFP - 15.8.2021

O primeiro-ministro do Sudão, Abdallah Hamdok, está preso na residência do general que liderou um golpe de Estado no país na última segunda-feira (25).

Leia também: Entenda a trajetória de conflitos, golpes e guerras civis do Sudão

"Ele está na minha casa", disse o chefe das Forças Armadas, Abdel Fattah al-Burhan, em coletiva de imprensa nesta terça (26) na capital, Cartum.

"Sim, prendemos ministros e políticos, mas não todos", declarou o general, acrescentando que o primeiro-ministro está "bem de saúde" e vai "retornar para casa quando a crise acabar".

O novo golpe ocorreu dois anos e meio depois da deposição do presidente Omar al-Bashir, que governava o Sudão desde 1989 e é acusado de crimes de guerra e genocídio no conflito em Darfur.

Após a prisão de Hamdok, milhares de pessoas saíram às ruas de Cartum para protestar contra os militares, sendo que pelo menos dez foram mortas pelas forças de segurança, de acordo com "fontes médicas" citadas pela BBC.

Além disso, três embaixadores sudaneses na Europa (Bélgica, França e Suíça) desertaram e proclamaram sua sede diplomática "representação do povo".

Desde a deposição de Bashir, o Sudão era comandado por um governo transitório formado por civis e militares e que prometia organizar eleições livres e democráticas. No entanto, divisões entre as forças civis serviram de justificativa para os militares darem um golpe.

Segundo Burhan, o Exército vai garantir uma "passagem democrática para a atribuição do poder a um governo eleito". O golpe foi condenado de forma quase unânime pela comunidade internacional, e os Estados Unidos suspenderam a ajuda financeira ao Sudão.

ONU exige libertação do premiê

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que Hamdok "deve ser libertado imediatamente". O pedido foi feito no momento em que o Conselho de Segurança da ONU realizava uma reunião de emergência sobre o golpe no Sudão.

Guterres disse que as "divisões geopolíticas" impedem o Conselho de Segurança de tomar medidas enérgicas, em um momento em que os países de todo o mundo enfrentam a pandemia e problemas sociais e econômicos.

"Esses fatores estão criando um ambiente em que alguns líderes militares sentem que têm total impunidade, que podem fazer o que quiserem, porque nada vai acontecer com eles", disse Guterres.

"Meu apelo é para que os países, especialmente as grandes potências, alcancem a unidade no Conselho de Segurança, com o objetivo de garantir que haja uma dissuasão eficaz em relação a essa epidemia de golpes de Estado", acrescentou.

Últimas