Qual o melhor modelo de cidade: a futurista ou a que volta ao passado? 

Pandemia parece exigir avanços tecnológicos, mas para muitos o modelo de cidade ideal está em revisitar os espaços urbanos de anos atrás

Skyline de Singapura: apelo à tecnologia e ao futurismo

Skyline de Singapura: apelo à tecnologia e ao futurismo

How Hwee Young / EFE-EPA - 15.4.2020

Cães robôs assistem a pedestres nos parques de Singapura, drones desinfetam as ruas, aplicativos possibilitam contato com pacientes em telefones celulares ... A covid-19 antecipou o futuro. Essa é a direção das novas cidades inteligentes?

Songdo, na Coréia do Sul, está sendo vendida como o "modelo sustentável do futuro". Totalmente automatizada, possui 40% de espaços verdes, recicla quase metade da água que consome e proíbe a circulação de carros a combustão.

Na Europa, capitais como Amsterdã experimentam zonas sustentáveis. É o caso de Schoonschip, com uma rede de painéis fotovoltaicos e um parque de carros elétricos compartilhados para o bairro.

Na visão de Óscar Chamat, diretor de pesquisas da rede Metrópolis, que reúne mais de 150 grandes cidades do mundo, a cidade inteligente "usa a tecnologia mais apropriada para responder aos problemas das pessoas".

Veja também: 'Cidade ideal' deveria ser tão saudável quanto verde

A conectividade é a chave para esses modelos e está disponível para mais da metade da população mundial. No entanto, 3,6 bilhões de pessoas ainda não possuem internet. O fosso digital é decisivo ao abordar o desenvolvimento: 82% dos europeus têm acesso à internet em comparação com 28% dos africanos.

Tecnologia x privacidade

E no império da tecnologia, onde está a privacidade? O controle dos movimentos populacionais e os dados personalizados sobre infecções durante a pandemia reabriram a controvérsia.

Drone desinfetante em Jakarta: pandemia impulsiona tecnologia

Drone desinfetante em Jakarta: pandemia impulsiona tecnologia

Bagus Indahono / EFE-EPA - 27.3.2020

Aplicações com informações sobre o vírus são, destaca García, uma ferramenta fundamental contra sua expansão. "E não usá-los é um luxo que não podemos pagar", acrescenta.

Chamat alerta sobre as tentações populistas dos governos, mas percebe uma contradição: "Estamos dispostos a transferir nossos dados para plataformas e redes sociais, mas temos muito medo de transferi-los para o Estado. É um paradoxo."

De uma janela da Alfama

Da janela de María Augusta Rei, em sua casa no bairro da Alfama, em Lisboa, nenhuma tecnologia parece ser suficiente. Ela nasceu e cresceu neste bairro, no coração da capital portuguesa. Mas a Alfama de hoje tem pouco a ver com a de Maria.

Aos 89 anos, ele já viu muitas coisas. "Foram-se todos os peixeiros", lembra ele. E padarias, açougues e até uma barbearia. Quase não havia restaurantes quando ela era jovem, nem turismo. Era um bairro de ruas estreitas onde os vizinhos falavam de janela em janela.

Mas tudo mudou com a chegada maciça de turistas. As empresas locais estavam desaparecendo para dar lugar a restaurantes e lojas de souvenirs. Os preços dispararam e os vizinhos foram forçados a se mudar para a periferia.

Turismo no bairro da Alfama expulsou moradores mais antigos

Turismo no bairro da Alfama expulsou moradores mais antigos

Pixabay

Gentrificação e privatização do espaço público

Como em Lisboa, a especulação imobiliária, a explosão do turismo e a gentrificação mudaram a face de muitas cidades europeias e expulsaram trabalhadores.

Nos últimos 20 anos, a desigualdade entre as nações piorou e as diferenças na expectativa de vida entre diferentes áreas da mesma cidade aumentaram.

"Devemos colocar os espaços públicos como espaços de integração."
Alain Grimard, ONU-Habitat

Alain Grimard, responsável pela ONU-Habitat para a América Latina, está preocupado com a "privatização" do espaço público. Modelos de condomínios fechados e shopping centers usurparam o papel dos parques públicos. "Precisamos mudar essa dinâmica de segregação. Mais do que nunca, devemos colocar os espaços públicos como espaços de integração", defende.

A loja de roupas para a qual María trabalhava, em La Baixa, muito perto de Alfama, também fechou. Seu empregador ficou doente e acabou em um lar de idosos. "Às vezes eu passo por lá e vejo tudo fechado. Sinto muito", confessa. Na Baixa, "havia muitas lojas de roupas; todas elas fecharam e agora são lojas chinesas".

Volta ao passado, pede a moradora da Alfama

"Gostaria que as pessoas que saíssem daqui voltassem, como eu, nascidas aqui, criadas aqui; voltassem. Agora não, agora são todos turistas. As pessoas que estavam no bairro desapareceram. Gostaria que fosse como antes".

Maria já viveu sua cidade ideal.

Agora, qual de todos será o melhor modelo?

A resposta pode estar nas palavras que Italo Calvino coloca na boca de Marco Polo em suas "Cidades Invisíveis": "Não há sentido em dividir cidades em felizes e infelizes, mas em duas outras categorias: aquelas que, ao longo dos anos e das mutações, continuam a moldar os desejos e aquelas em que os desejos apagam a cidade ou são apagados por ela."