Internacional Quatro refinarias em Louisiana voltam a funcionar após furacão Ida

Quatro refinarias em Louisiana voltam a funcionar após furacão Ida

Cinco seguem fechadas, mas nas últimas 24 h, refinarias da região de Baton Rouge e Nova Orleans iniciaram o processo de reinício

Reuters
Quatro refinarias retomam as atividades após passagem do furacão Ida

Quatro refinarias retomam as atividades após passagem do furacão Ida

Adrees Latif / Reuters - 31.9.2021

Quatro refinarias de petróleo no Estado norte-americano da Louisiana iniciaram o processo de retomada das atividades desde sábado, após o Furacão Ida derrubar grande parte da capacidade de processamento de petróleo na região, embora outras cinco ainda sigam fechadas.

Nas últimas 24 horas, todas as três refinarias na região de Baton Rouge e uma na área de Nova Orleans iniciaram o processo de reinício, anunciou o Departamento de Energia dos EUA (DOE, na sigla em inglês) neste domingo. Essas quatro refinarias representaram 1,3 milhão de barris por dia em capacidade de refino.

A Marathon Petroleum Corp anunciou na sexta-feira que sua refinaria de 578 mil barris por dia (bpd), em Garyville, na Louisiana, a maior do Estado, estava nos estágios iniciais de retomada.

A Exxon Mobil Corp também retomou as operações em sua refinaria de 520 mil bpd em Baton Rouge.

A retomada completa da produção normal das refinarias levará entre duas e três semanas para a região.

As refinarias estão levando mais dias para retomar atividades do que levaram em tempestades anteriores por conta de questões logísticas e da falta de energia elétrica. As mudanças climáticas provocam incidentes mortais e desastrosos por todo o planeta, inclusive furacões mais fortes e mais prejudiciais.

A energia foi restabelecida em sete das refinarias impactadas desde sexta-feira, segundo o DOE.

As cinco refinarias ainda desativadas na Louisiana representam cerca de 1 milhão de barris por dia, ou cerca de 6% do total da capacidade de operação em refino dos EUA, afirmou o DOE.

Os cronogramas de retomada em Nova Orleans podem levar mais tempo devido às inundações e questões de fornecimento de energia, anunciou o DOE.

Últimas