Internacional 'Rebeldia' de príncipe Charles pode colocar monarquia em risco

'Rebeldia' de príncipe Charles pode colocar monarquia em risco

Autor de um livro sobre a vida do primeiro na linha de sucessão do trono real britânico, encara 'teimosia' do príncipe como um 'grande problema'

'Rebeldia' de príncipe Charles pode colocar monarquia em risco

Charles é o primeiro na linha de sucessão do trono real e pai de William e Harry

Charles é o primeiro na linha de sucessão do trono real e pai de William e Harry

Reprodução/Reuters

O príncipe Charles, o "rebelde" herdeiro do trono britânico, enfrentará uma batalha para conquistar os britânicos e pode a monarquia em em risco se ele não temperar suas fortes opiniões quando ele se tornar rei, diz um biógrafo real.

Charles, que completará 70 anos na semana que vem, será o monarca mais velho a ser coroado quando assumir o lugar de sua mãe de 92 anos, a rainha Elizabeth II.

Tom Bower, autor da biografia não autorizada do "príncipe Rebelde" que foi publicada no início deste ano, disse que o Charles é inteligente, gentil e sensível, mas também é um egoísta, ingrato e amante do luxo cuja teimosa pode arriscar a própria instituição.

Quiz: Você sabe quem é quem na linha de sucessão do trono britânico?

"Acho que Charles fará de tudo para ser um bom rei", disse Bower à Reuters, que se descreve como um monarquista comprometido. "A questão será como ele se comportará".

"Eu acredito que a rainha e o príncipe Philip sejam gratos por viverem tanto tempo para evitar que filho seja o monarca", acrescentou.

As críticas ao príncipe não são novidade. Desde o fim de seu casamento com sua falecida primeira-dama Princesa Diana na década de 1990, seu estilo de vida e pontos de vista sobre questões como mudança climática, religião, medicina alternativa e arquitetura têm recebido críticas.

Enquete: Escolha você o sucessor ou sucessora da rainha da Inglaterra

"Príncipe é alguém incapaz de receber críticas"

Bower, cuja biografia foi baseada em entrevistas com 120 pessoas, incluindo aqueles que trabalharam de perto para a realeza, disse que o príncipe estava comprometido com assuntos como o meio ambiente, mas era alguém incapaz de receber críticas.

"Ele está muito interessado em criticar os outros, mas não tolera aqueles que o desafiam", disse Bower. "Ele é uma pessoa que é conduzida e que, sem dúvida, quer fazer o bem, mas não entende que as consequências de muitas de suas ações causam muitos problemas e ele não gosta de saber que pode estar fazendo algo errado".

Ex-assessores que trabalharam de perto com Charles dizem que muitas das histórias no livro de Bowers não são verdadeiras.

"Eu posso entender por que os críticos vão escrever coisas ruins sobre ele, mas tudo o que estão fazendo é torná-lo o mais negativo possível", disse um ex-assessor, que se descreveu como um grande fã de Charles, à Reuters.

A rebeldia do príncipe

Bower disse que Charles se rebelou contra seus pais e contra as expectativas, dizendo que o fim de seu relacionamento com Diana e o romance com sua segunda esposa, Camilla, faziam parte dessa rebelião.

"Ele tem uma visão do mundo e quer impor sua visão do mundo, então, em todos os sentidos, ele não quer se conformar às expectativas, de modo que ele se torna um rebelde", disse ele.

"Eu acho que se ele é um rei 'rebelde', a monarquia estará em perigo e esse é o grande problema que enfrentamos".

*Estagiária do R7 sob supervisão de Cristina Charão