Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia acelera avanço ao Donbass e consolida controle no sul da Ucrânia

Rússia acelera avanço ao Donbass e consolida controle no sul da Ucrânia

Forças russas estariam concentrando tropas na região leste do país, próximo aos territórios separatistas de Donetsk e Lugansk

Agência EFE
Tanques de guerra russos em exibição na praça de São Petersburgo

Tanques de guerra russos em exibição na praça de São Petersburgo

Olga Maltseva/AFP - 28.04.2022

As tropas russas avançaram de Kharkiv ao Donbass, região importante para cercar as posições ucranianas no norte de Donetsk, enquanto consolidam o seu controle sobre o sul do país, na fronteira com a península da Crimeia.

Segundo o Estado-Maior ucraniano, o Exército inimigo tem concentrado nas últimas horas tropas e armas em Izium, próximo a Kharkiv, e intensificado os ataques para obter o controle definitivo da área.

Além disso, Moscou teria transportado unidades aéreas e até 500 peças de equipamento militar para Izium, que fica a 70 km de Kramatorsk, reduto militar ucraniano no Donbass.

Pequenos avanços russos

O Instituto de Estudos da Guerra, um centro de pesquisa americano, confirmou em relatório recente que as forças russas conseguiram avanços menores, mas constantes, tanto em Izium como ao longo da linha de contato no leste da Ucrânia.

As forças russas também tomaram nas últimas 24 horas vários povoados pequenos a oeste de Izium.

Segundo o relatório, os russos pretendem cercar as posições ucranianas até essas áreas, nas estradas para Barvinkove e no cruzamento de comunicações de Sloviansk. O instituto também afirmou que é provável que a crescente concentração de peças de artilharia permita que as forças russas alcancem seu objetivo.

Em 2014, nas duas maiores batalhas da guerra do Donbass, as milícias pró-Rússia reforçadas por forças da Rússia cercaram e esmagaram o Exército ucraniano.

O ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksii Reznikov, previu nesta quinta-feira (28) "uma semana extremamente difícil" devido à grande ofensiva russa no Donbass. Segundo ele, a ajuda externa à Ucrânia continuará a crescer, mas a sua implementação, "preparação [dos militares] e questões logísticas" levarão algum tempo.

"Entretanto, a Rússia já construiu forças para uma grande ofensiva no leste da Ucrânia", escreveu o ministro no Facebook.

Territórios ocupados

Os russos também parecem determinados a manter os territórios ocupados. Alguns já consideram a circulação do rublo e a integração com a península da Crimeia anexa, de acordo com Kiev.

"A partir de 1º de maio, estaremos na zona do rublo", disse Kiril Stremousov, representante das novas autoridades pró-Rússia na região de Kherson, vizinha à Crimeia.

De acordo com a fonte, o período de transição em que tanto os rublos como as grívnias ucranianas estarão em circulação durará cerca de quatro meses.

"Depois disso, as transações serão apenas em rublos", disse ele, citado pela agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

Em Kherson, as forças russas entraram na segunda-feira (25) no edifício da prefeitura local, que é a primeira grande cidade capturada em pouco mais de dois meses da invasão, afirmou o prefeito, Igor Kolykhaiv.

Os russos anunciaram que os poderes do prefeito "estão sendo delegados" e que o novo chefe da administração regional será o ex-prefeito Vladimir Saldo.

Na quinta-feira, o prefeito deposto de Kherson comentou que "possivelmente eles [os russos] pretendem unir [a região de Kharkov] à Crimeia".

Kolykhaiv negou relatórios sobre os preparativos para um possível referendo na região para declarar a independência da Ucrânia, como Donetsk e Lugansk fizeram há oito anos. "Não faz sentido criar outra quase-república. Não há preparativos para um referendo", declarou, em entrevista à ucraniana NV.

Últimas