Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia acusa Otan de querer continuidade de guerra na Ucrânia

Rússia acusa Otan de querer continuidade de guerra na Ucrânia

Aliança militar estabelecerá quatro novos batalhões internacionais na Hungria, Bulgária, Eslováquia e Romênia

Agência EFE
Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em entrevista após cúpula da Otan

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em entrevista após cúpula da Otan

Thomas Coex/AFP - 24.03.2022

A Rússia acusou a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) nesta quinta-feira (24) de estar interessada na continuidade das ações militares na Ucrânia, palco de uma "operação militar especial" russa que começou há um mês e já deixou milhares de mortos e 3,5 milhões de refugiados.

"A decisão anunciada na cúpula [da Otan] de continuar oferecendo apoio político e prático ao regime de Kiev demonstra o interesse da Aliança Atlântica na continuidade das ações militares", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, em comunicado.

Em sua cúpula extraordinária em Bruxelas sobre a guerra na Ucrânia, os líderes da aliança concordaram em estabelecer quatro novos batalhões internacionais na Hungria, Bulgária, Eslováquia e Romênia.

Ao mesmo tempo em que a Otan ativou os elementos de defesa química, biológica e nuclear, os Estados Unidos admitiram consultas com seus parceiros sobre o fornecimento de mísseis antinavio à Ucrânia.

"Enquanto pede negociações, o bloco do Atlântico Norte não fez uma única tentativa de empurrar a liderança ucraniana para uma solução pacífica da situação no Donbass", afirmou Zakharova.

Além disso, ela lamentou que os países-membros da aliança tenham demonstrado "lealdade absoluta a Washington" e a disposição de seguir à risca a política de "contenção total da Rússia".

"Washington pode colocar a cúpula da Otan em seu bolso geopolítico. Conseguiu disciplinar ainda mais os aliados ao conter totalmente nosso país e pressionar os países capazes de tomar decisões soberanas e implementar políticas independentes", declarou a porta-voz.

Nesse contexto, opinou que "as aspirações europeias a uma suposta autonomia estratégica parecem simplesmente ridículas".

Nesta semana, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, alertou para o fato de que o envio de forças de paz da Otan à Ucrânia provocaria confrontos militares entre tropas russas e da Aliança Atlântica.

Na mesma ocasião, Lavrov também acusou os Estados Unidos de estarem interessados em prolongar "o máximo possível" a atual campanha militar russa na Ucrânia.

"Eles esperam continuar fornecendo armas à Ucrânia. É claro que eles querem nos manter em estado de combate o máximo possível", destacou.

Últimas