Internacional Rússia ataca fábrica em cidade estratégica no leste da Ucrânia onde 500 civis estão abrigados 

Rússia ataca fábrica em cidade estratégica no leste da Ucrânia onde 500 civis estão abrigados 

Segundo autoridade ucraniana, forças de Moscou controlam 70% de Severodonetsk e retirada em massa de civis é 'impossível'

  • Internacional | Do R7, com EFE

Resumindo a Notícia

  • Abrigos da fábrica química Azot não são robustos como os da usina de Azovstal
  • Autoridade de Lugansk diz que civis precisam ser retirados com garantia de segurança
  • Até o momento não foi possível abrir um corredor humanitário na cidade
  • Poucas pessoas conseguem sair diariamente da região de Severodonetsk
Em Severodonetsk, fumaça sobe após ataque russo a um complexo da fábrica  Azot

Em Severodonetsk, fumaça sobe após ataque russo a um complexo da fábrica Azot

Oleksandr Ratushniak/Reuters - 10.06.2022

As forças russas atacaram a fábrica química Azot, onde estão abrigados cerca de 500 civis, 40 deles crianças, na cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, afirmou nesta segunda-feira (13) o chefe da Administração Militar de Lugansk, Serhiy Haidai.

"Os combates são tão intensos em Severodonetsk que a luta pode durar 24 horas, não por uma rua, mas sim por apenas um bloco de apartamentos", apontou a autoridade local, de acordo com agências ucranianas de notícias.

Nas redes sociais, Haidai informou também que as forças de Moscou controlam 70% de Severodonetsk e que "a retirada em massa de civis e o fornecimento de ajuda humanitária são impossíveis, devido aos bombardeios".

Dessa forma, os militares ucranianos "conseguem retirar apenas algumas poucas pessoas por dia", lamentou.

O militar ainda destacou que os abrigos da fábrica química Azot, onde centenas de civis se protegeram, não são tão robustos quanto os da usina siderúrgica Azovstal, em Mariupol, que, durante semanas, foi defendida por integrantes do Batalhão Azov. Por isso, segundo ele, é preciso retirar as pessoas "necessariamente, com garantias de segurança".

"Estamos tentando negociar um corredor, mas, até o momento, sem êxito, com ajuda de Iryna Vereshchuk", disse a autoridade, referindo-se à vice-primeira-ministra da Ucrânia.

Nos últimos dias, a maior quantidade de feridos e mortos na Ucrânia está sendo registrada na cidade de Severodonetsk.

Últimas