Internacional Rússia busca retornar ao Conselho de Direitos Humanos da ONU após invadir a Ucrânia

Rússia busca retornar ao Conselho de Direitos Humanos da ONU após invadir a Ucrânia

Assembleia-Geral das Nações Unidas votará para eleger os 15 novos membros da organização nos mandatos entre 2024 e 2026

AFP
Resumindo a Notícia
  • Rússia tentará regressar ao Conselho de Direitos Humanos da ONU na terça-feira (10).

  • País foi expulso do órgão quando invadiu a Ucrânia, em 24 de janeiro de 2022.

  • Assembleia-Geral da ONU votará para escolher os 15 novos membros da organização.

  • Eleição acontece poucos dias depois de um ataque russo com mísseis à Ucrânia.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

Maksim Blinov/POOL/AFP - 19.09.2023

A Rússia, que foi expulsa do Conselho de Direitos Humanos da ONU quando invadiu a Ucrânia, tentará regressar ao órgão nesta terça-feira (10), uma possibilidade incerta que pode servir de termômetro de seu apoio internacional.

A Assembleia-Geral da ONU votará para eleger os 15 novos membros da organização, com sede em Genebra, para mandatos entre 2024 e 2026.

Os 47 atuais membros do conselho estão divididos por regiões, e cada grande grupo regional pode pré-selecionar seus candidatos, que serão aprovados pela Assembleia-Geral posteriormente.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram

No entanto, neste ano, dois grupos possuem mais candidatos do que vagas disponíveis: América Latina (Brasil, Cuba, República Dominicana e Peru concorrem a três vagas) e Leste Europeu (Albânia, Bulgária e Rússia competem por duas).

A candidatura russa gerou ceticismo, e a votação acontece poucos dias depois de um ataque com mísseis à cidade ucraniana de Hroza, que deixou mais de 50 mortos.

"Esperamos que os membros da ONU rejeitem firmemente a absurda candidatura" da Rússia, declarou à AFP um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, que pediu anonimato.

"Membros das Forças russas violaram o direito humanitário internacional e cometeram crimes de guerra e contra a humanidade na Ucrânia", acrescentou.

Mariana Katzarova, especialista da ONU, declarou recentemente que a repressão na Rússia aumentou desde a invasão da Ucrânia, em fevereiro de 2022, e chegou a níveis "sem precedentes na história recente".

Para aderir ao Conselho de Direitos Humanos, um país precisa reunir 97 votos dos 193 países-membros da ONU. Em abril de 2022, 93 nações votaram a favor da suspensão de Moscou do Conselho, e 24 se opuseram à decisão.

Esta votação majoritária contra a Rússia foi menos desigual que outras resoluções em defesa da integridade territorial ucraniana, com a aprovação de cerca de 140 países.

A situação deste conselho, no entanto, é mais complexa, uma vez que alguns países também são acusados de não respeitar os direitos humanos e temem enfrentar o mesmo destino.

Com expulsão de invasores, Ucrânia sofre para achar e desativar minas terrestres escondidas pela Rússia

Últimas