Internacional Rússia diz que relações com Ucrânia estão longe da normalização

Rússia diz que relações com Ucrânia estão longe da normalização

Dmitry Peskov afirmou que ainda não é o momento de falar em relação bilateral, 'apesar de alguma dinâmica positiva entre os Estados'

Peskov disse que as relações entre os dois países são instáveis

Peskov disse que as relações entre os dois países são instáveis

ERGEI KARPUKHIN/EFE

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou nesta terça-feira (28) que as relações entre Rússia e Ucrânia estão longe de "uma tendência estável para a normalização", apesar dos contatos entre ambos os países.

"Neste momento, não falaria de relações bilaterais. Apesar de alguma dinâmica positiva nos contatos entre os dois Estados, infelizmente as relações ainda estão longe de uma tendência estável para a normalização", disse Peskov na entrevista coletiva diária.

Peskov havia sido perguntado se as recentes declarações do presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, sobre a Segunda Guerra Mundial, devido à conspiração entre regimes totalitários, aludindo aos nazistas e soviéticos, teriam um impacto negativo nas relações entre Moscou e Kiev.

Leia mais: Ucrânia e Rússia começam a negociar nova troca de presos

O representante russo foi contuntende em relação à fala de Zelenski, feita na segunda-feira, na Polônia e ao lado do presidente polonês, Andrzej Duda, durante os eventos pelo 75º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz.

"Estamos em total desacordo com esta declaração. O presidente da Ucrânia se solidariza com uma abordagem ofensiva para dezenas de milhões de russos e cidadãos da CEI (Comunidade de Estados Independentes), cujos pais, avós e parentes deram a vida pela libertação da Europa, incluindo a Polônia, do fascismo", disse.

De acordo com o porta-voz do Kremlin, a posição de Zelenski dificilmente está de acordo com os sentimentos de "milhões de ucranianos que também lutaram com armas na mão contra os fascistas".

"Por isso, não aceitamos esta afirmação, a qual consideramos errada e ofensiva do ponto de vista da memória dos nossos avós", ressaltou.

Últimas