Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia moveu menos de 20% dos soldados que estão perto de Kiev, segundo EUA

Rússia moveu menos de 20% dos soldados que estão perto de Kiev, segundo EUA

Governo russo se comprometeu na última terça-feira (29) a reduzir presença militar próximo à capital da Ucrânia 

Agência EFE
Ruas de Kiev contam com bloqueios para impedir invasão de tropas russas

Ruas de Kiev contam com bloqueios para impedir invasão de tropas russas

Fadel Senna/AFP - 19.3.2022

O Pentágono disse nesta quarta-feira (30) que a Rússia deslocou nas últimas 24 horas menos de 20% de seus soldados que estão perto de Kiev e reiterou que essa movimentação não pode ser classificada de retirada.

O porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, John Kirby, destacou em entrevista coletiva que algumas dessas tropas foram transferidas para Belarus, mas sem oferecer cifras concretas.

Apesar desses movimentos, Kirby opinou que, "se os russos estão realmente falando sério sobre a desescalada, que é o que estão dizendo, eles devem enviar seus soldados para casa. E não é isso que estamos vendo", criticou.

A Rússia intensificou sua ofensiva na região do Donbass nesta quarta-feira, enquanto continua bombardeando Chernihiv e a região de Kiev, apesar de ter anunciado um dia antes "uma redução radical" na atividade militar no norte da Ucrânia.

O Estado-Maior Geral das Forças Armadas da Ucrânia garantiu hoje que as tropas russas continuam retirando-se dos territórios das regiões de Kiev e Chernihiv, mas considerou que a Rússia apenas "desistiu temporariamente do objetivo de bloquear" a capital diante das "perdas significativas" que sofreu.

A Rússia anunciou que reduziria a pressão ofensiva sobre a capital ucraniana e Chernihiv, após as negociações de terça-feira (29) com a Ucrânia em Istambul, na Turquia.

Kirby confirmou nesta quarta-feira que a Rússia está agora priorizando os bombardeios sobre a região do Donbass, no leste da Ucrânia, embora tenha observado que também ocorrem ataques aéreos contra áreas no norte, como Kiev e Kharkiv, bem como em Mariupol, no sul.

Últimas